22 de julho de 2010

O terceiro sexo


Hijdras, nem homens nem mulheres, como se diz na Índia: o terceiro sexo! Elas são castradas no templo, em meio a uma cerimônia presidida por um sacerdote, num ritual bem primitivo mesmo. Os nascidos hemafroditas são geralmente entregues a elas.

As hijdras formam uma casta, tem templos, deuses próprios e o poder de abençoar ou amaldiçoar. Por isso são bem-vindas nos casamentos e batizados. Costumam invadir esses festejos em bandos, cantando, dançando, e depois pedindo dinheiro aos convidados. Negar é um perigo: maldição de hijdra pega! Sabe-se que elas tem sido usadas até por empresas estrangeiras para fazer cobranças: quem teria coragem de se negar a pagar o que uma hijdra cobra?

Entre os inúmeros livros que existem sobre a Índia, a respeito desse fascinante tema, um é muito especial: conta a história dolorosa de Mona Ahmed, uma das mais famosas hijdras de Delhi. O livro é composto pelos e-mails que ele escreveu para a fotógrafa Dayanita Singh, que durante 13 anos acompanhou sua vida, fotografando, através dele, o universo das hijdras. Ahmed estabeleceu com a fotógrafa um sólido laço de amizade e confiança, e o título do livro é retirado da maneira como assina esses e-mails: “myself, Mona Ahmed”.

“Não somos homens tentando ser mulheres: somos o terceiro sexo”, diz Ahmed em um desses e-mails, sobre a sua condição. Ahmed estudou nos melhores colégios, nasceu de família rica, único menino entre muitas irmãs, o preferido do pai, aquele que deveria sucedê-lo à frente dos negócios.Cedo descobriu que não se identificava com os meninos, e na adolescência, depois das turbulências familiares, provocadas pelo pela impossibilidade do pai de corrigir suas maneiras femininas, é expulso de casa e acaba juntando-se às hijdras.

Seu guru lhe entrega uma recém-nascida órfã, e ele dedica-se a ela como verdadeira mãe. O livro é recheado de fotografias que registram as festas de aniversário de Ayesha, os momentos de vida em família.

Alguns anos depois, o guru considera que o ambiente de Ahmed é prejudicial à menina e leva embora da Índia, nunca mais permitindo que ele a veja. Ahmed fechou-se em luto: viveu seus últimos anos em absoluta solidão, morando num cemitério em New Delhi.

Cabe explicar a figura do guru: ele é o dirigente do grupo, o responsável pelo gerenciamento do dinheiro que arrecadam, o que dirige as cerimônias e os rituais de castração.


Nenhum comentário: