21 de janeiro de 2011

Seguir em frente




De repente do riso fez-se o pranto. Pode não ser tão de repente, como disse Vinícius de Moraes no Soneto da Separação. A dissolução de uma relação amorosa pode levar instantes bem menos breves. Rompimentos são sempre difíceis. O que faz diferença é o modo como cada um vai tratar de botar a vida novamente nos eixos. Mas superar, todos superam.

Toda separação é uma morte. Não é nada fácil para ninguém. Ter em mente que o casamento é eterno agrava as consequências negativas de seu fim. É uma sensação de perda e fracasso muito grande.

Problemas financeiros, busca pela liberdade, traição, desamor, incompatibilidades. Os motivos que podem levar uma relação ao fim é extenso. Quando nem os momentos prazerosos conseguem inibir o desgaste emocional, estar junto da outra pessoa se torna um fardo. Isso só pode gerar desgastes e mágoas mútuas.

Da aceitação à hora de estar pronto para um novo amor, há uma série de dicas que ajudam a acalmar a mente e recompor o coração.

Admitir. Fingir que está bem não leva a nada de bom. É preciso aceitar o término. Passar o tempo com amigos é importante. Se a vontade de estar em companhia for baixa, a opção é se forçar a isso. E antes de admitir o sofrimento para alguém, é preciso admiti-lo para si mesmo.

Aprender. Dominar novas habilidades também ajuda. Inscrever-se em uma aula de pintura, gastronomia, ajuda a manter o cérebro focado na nova tarefa e sem tempo para pensar no término da relação. Buscar sonhos antigos, amigos, trabalho.

Escrever. Manter um diário clareia os pensamentos. Passar os sentimentos para o papel ajuda a liberar sentimentos de mágoa de maneira construtiva. Até mesmo escrever uma carta é um tremendo auxílio para a recuperação emocional. Reler o material escrito no futuro oferece maior compreensão de si mesmo através da observação de como se reagiu a este momento difícil.

Interagir. Encontrar grupos de apoio é um modo de superar. É importante estar com pessoas que possam ouvir, pois desabafar é fundamental. A troca de experiências é um impulso para superar o término. No entanto, é preciso que a pessoa com quem se deseja trocar experiências também queira seguir em frente.

Sair. Viajar ou simplesmente dar uma volta na praça. O importante é se manter em contato com o mundo e fazer issso com parentes ou amigos, pois estar sozinho é difícil, mesmo que a solidão pareça a melhor companhia. O objetivo é voltar renovado.

Exercitar. Natação, caminhada, musculação. A prática de atividades físicas ajuda o organismo a se livrar das toxinas que causam o stress e gera satisfação. A rapidez com que um bom exercício dissipa a nuvem de emoções ruins é surpreendente.

Adotar. Não um filho, mas um animal. Bichos de estimação podem até dar trabalho, mas sabem amar melhor que ninguém. Com um pouco de atenção e carinho, eles se tornam uma imensa fonte de afeição e lealdade.

Amar. Pode levar tempo para se recuperar de um coração partido, mas é importante saber que alguém especial pode aparecer a qualquer momento. Não vale a pena viver de mágoas passadas. O que mais marca a superação é o retorno da auto-estima. Quando nos abrimos e aceitamos os riscos da vida, a chance de refazermos nossas parcerias aumenta.
E, siga em frente!

Filipe de Paiva 
 

3 comentários:

Maria José disse...

Lena. Quanto aprendizado nesse post. É para ser lido vagarosamente e assimilado aos poucos, para que possamos estar mais centrados e equilibrados. Obrigada por compartilhar tão significativa leitura, amiga. Beijos, bom final de semana.

Lena Simões disse...

Obrigada, Mary Jo,

Gostei muito das dicas apresentadas. Escrever é um conselho bom que adoto sempre, parece que a gente se desprende mais rapidamente do problema que está vivenciando. E por aí vai...

Obrigada pela visita. Seu estímulo é uma grande força, minha amiga! Bom fim de semana.

Bjkas.

Bruna Albuquerque disse...

Amei essa postagem!!!
Já estou seguindo seu blog.

http://umapitadadebruna.blogspot.com/