26 de maio de 2011

Não quero saber...




Você evita pensar ou falar sobre o que sente ou convive com alguém assim? É muito comum as pessoas não desejarem saber sobre alguns fatos que estão bem diante delas. Estamos habituados com frases feitas como: o que os olhos não vêem o coração não sente, ou pensar dói, não quero nem saber..., vamos colocar panos quentes ou ainda, a crença que devemos colocar para debaixo do tapete situações ou atitudes das quais não concordamos ou que nos machucam e por isso mesmo, tendemos a fugir, negando o que é óbvio. Mas quais as conseqüências disso? Muitas!

Em algum momento aquilo que, até então, estava escondido pode se manifestar de alguma forma, seja por um sintoma, doença, acidente, angústia, insegurança, tristeza, culpa, arrependimento, entre outros; e muitas vezes sequer relacionamos o fato a situações mal resolvidas e acumuladas ao longo do tempo. Isso acontece porque ainda que nossa consciência queira negar, tudo é registrado pelo inconsciente. Ou seja, uma situação não deixa de existir apenas porque a negamos. Quando evitamos a verdade, estamos omitindo de nós mesmos o que sentimos e nos negando a possibilidade de evitar conflitos futuros. Que com certeza irão existir.

Em algumas situações, pode até ser mais prudente adiar a conversa sobre o que aconteceu e como nos sentimos, mas isso não significa deixar pra lá, como muitas pessoas preferem. Em algum momento de nossa vida, o deixar pra lá vai ressurgir e em geral, de maneira muito mais intensa, pois irá se somar a muitas outras situações que também foram deixadas pra lá. É a famosa última gota que faz tudo transbordar! Transborda a paciência, tolerância, a raiva, o ressentimento, as mágoas, podendo comprometer a amizade, admiração, e até o amor!

Quando somos acusados injustamente por algo que não fizemos, é natural que tentemos nos defender, mas nem sempre fazemos isso, pelos mais diferentes motivos. Alguns alegam que é para evitar brigas, outros sentem dificuldade em demonstrar o que sentem diante de alguma situação, outros ainda querem tanto agradar que nem pensam na possibilidade de dizer o que pensam, enfim, no fundo queremos poupar o outro em detrimento de nosso próprio sofrimento. É justo? Não quero defender a idéia de que devemos brigar por tudo, mas saber impor limites e nos fazer respeitar quando alguém nos invade, nos machuca, deve ser entendido como saudável e não como mais fonte de brigas. Se a briga acontece porque você demonstrou que não gostou de uma acusação, uma palavra ou gesto que te ofenderam, na verdade está lidando com uma pessoa imatura e que não suporta ser contrariada.

Já percebeu que algumas pessoas têm a necessidade de inferiorizar o outro com brincadeiras inadequadas e desagradáveis? Sabe por qual motivo agem assim? Em geral, para sentirem-se superiores. É certo com você mesmo agir como se nada houvesse acontecido? E nos relacionamentos afetivos? Quantas pessoas não sabem nada da vida do outro? A parte financeira é algo sigiloso até entre os casais. E sabe o que aconteceu com um casal que conheço? O marido veio a falecer num acidente e a esposa ficou totalmente perdida e sem nenhum recurso financeiro, pois nada sabia sobre isso. Quantas histórias você conhece que aconteceu isso? Se não conhece, saiba que é muito freqüente.

Outra situação muito comum é de pessoas que buscam sempre agradar ao outro e cedem em tudo, deixam que o outro escolha a comida, onde viajar, o filme que irão assistir, e assim, com o tempo acabam se tornando desconhecidas de si mesmas, sem saber mais o que gostam. E não é surpresa se o outro deixar de ter a admiração e atração que tinha por você. Afinal, onde está aquela pessoa por quem um dia se apaixonou se ela se tornou uma extensão dele?

Atendi um senhor em meu consultório que durante as férias sua esposa e os filhos foram viajar e ele ficou. Numa noite foi até a pizzaria e não sabia qual o sabor da pizza escolher, pois sempre deixava que esposa e os filhos decidissem. Inconformado, voltou para seu carro e decidiu que não voltaria para casa sem escolher aquilo que queria comer. Demorou quase uma hora, mas conseguiu ouvir a si mesmo e fazer sua escolha. Depois disso, sempre que vão comprar pizza ele pede que ao menos dois pedaços sejam com seu recheio preferido.

Parece brincadeira, mas isso mostra o quanto nos perdemos até para fazermos escolhas tão simples como uma pizza, quem dirá para outras coisas. Sim, é importante cada um ceder em algumas situações, mas isso não quer dizer fazer o que agrada apenas para um. Relacionamento é troca, em todos os sentidos. E aquelas pessoas que estão sempre fugindo de uma conversa mais séria, evitam falar o que não gostaram para não machucar o outro ou evitar maiores aborrecimentos, devem pensar no quanto já estão machucadas, o quanto estão permitindo serem desrespeitadas, talvez até porque nunca aprenderam a se respeitar.

Pense sobre isso. Não coloque o que sente para debaixo do tapete, pois poderá chegar um momento em que terá tanta sujeira, que você não conseguirá sequer mais enxergar o outro à sua frente, e sequer a si mesmo. Converse, converse muito sobre tudo, afinal, o diálogo é o que nos faz seres humanos e nos aproxima de quem tanto amamos.

Rosemeire Zago


19 comentários:

Rosane Castilhos disse...

Oi Lena querida!
Obrigada pelas suas palavras tão gentis no meu Trésors, volte sempre vou adorar te ver por lá. E olha só quem falando em bom gosto, seu blog é LINDO!!! Me identifiquei com muitas coisas por aqui, aos poucos vou conhecendo tudo. Seus escritos, as escolhas dos textos e frases: eu amei.
Beijinhos e até mais.
Aviso: minhas atualizações não aparecem, probleminha que já dura meses.

Paulo Francisco disse...

Este texto é muito bom!!!!
Um beijo grande.

Meire disse...

Lena, minha linda estrela, a chave pra tudo isso é o bendito diálogo! Eu, particularmente quando estou muito brava com uma pessoa por alguma atitude dela costumo pensar um pouco comigo para depois conversar melhor, pois quando conversamos no meio da raiva pode não dar certo. Mas é essencial que a outra pessoa saiba o que achamos sobre o que quer que seja que ela tenha feito, assim evitamos uma briga futura por falta de diálogo.
Jamais devemos viver em função do outro, esquecer tanto de nós, assim podemos cair num abismo!!!

Ahhh, e o texto que eu escrevi hj (Preciosidade) sinta-se incluída nele, pois vc tem sido realmente a palavrinha que usei ai em cima em minha vida: uma estrela...bjo gigante ;)

Fênix27 disse...

Olá,Lena estou correndo para pedir aos meus amigos e seguidores uma forcinha.Estou na reta final no concurso de poesia do Ostra da Poesia da nossa amiga Lindalva>venho pedir a tua ajudinha deixo o titulo da minha poesia:Lindo Sonho de Amor(Autora Célia Maria)end.do site:http://ostra-da-poesia-as-perolas.blogspot.com/.Tem o mural para comentário que contara como voto,fica abaixo da poesia.Espero contar com seu carinho e desde já te agradeço.
Bjos.

Yasmine Lemos disse...

Bom dia Lena,
O texto lembra a famosa "bola de neve" de ressentimentos. Muitos entregam ao tempo,mas até ele cobra nossas atitudes quando chegamos no fim do beco sem saída.Não adianta acumular poeira,temos é que ter coragem e as escolhas que sejam maduras.
beijos,um dia lindo pra vc

Ma Ferreira disse...

Lena, como sempre bem interessante o tema.
Antes eu fazia tudo para agradar as pessoas.
Aquilo me trazia uma falsa felicidade. Era como seu tivesse interpretando. E estava.
Deixava de escolher o prato preferido em prol da maioria. Deixava de me posicionar no meu relacionamento em nome da paz. Deixava de falar umas verdades, para nao magoar..
Chegou uma hora que eu era aquela boazinha. Boazinha e sem personalidade, onde as pessoas acabavam por se aproveitarem de mim.
Ate que um dia acordei.
Resolvi que nao preciso ficar perto de pessoas que nao e fazem bem. Resolvi a escolher o meu prato preferido. Se der para chegar num concenso melhor ainda.
Aprendi a falar nao. Um nao suave. Nao posso. Assim nao quero.
Acho que agia assim por carencia afetiva. era um jeito equivocado de querer ser aceita.
Hj sou mais respeitada. Digo o que penso na hr certa, de maneira suave. E ponto.
E nao carrego culpa.
As pessoas precisam aprender a ouvir nao.

Tem um livro bem interessante e de facilima leitura: O visconde cortado ao meio de Italo Calvino.
Resumindo o final. O ser ruim de mais e o ser bom de mais, causam o mesmo efeito: doenca.
Nem bonzinho nem mauzao..Equilibrio sempre.
bjkas


Ma....

Ja postei hj..no meu blog e no Tessitura poetica..
Aparece.. gosto de ver seu rostinho por l'a.

Bj

Ma

Vilmar Barros de Oliveira disse...

Oi Lena, Bom dia!
Muito oportuno esse texto.
me fez ver e entender coisas que as vezes deixo passar em branco.
Obrigado pela sua visita
Beijo grande.

Ingrid disse...

sem a mínima dúvida Lena..
nada podemos deixar que nos faça mal..
e saber reconhecer e aceitar!
beijos linda..

Wanderley Elian Lima disse...

Como sempre sua escolha foi perfeita. Em relacionamentos, o que mais acontece é um se anular em função do outro, mas chega um momento que as coisas explodem, aí é tarde demais.
Bjux

* Verinha * disse...

Formidável esse texto Lena!.. Não devemos nunca nos omitir e deixar as coisas passarem qdo não estamos de acordo.. assim penso!

Beijocas em seu coração..
Verinha

Marly Bastos in "palavreados ao vento" disse...

O famoso "engolir sapos" e a gente aos poucos vai ficando entalada.
Num relacionamento um deixa pra lá pra não magoar o outro, algo que o incomoda. E assim, como disse o texto, o lixo vai só acumulando debaixo do tapete...
O texto é exato.
Beijos Lena!

C. disse...

Incrível mesmo como o teor do texto é verdadeiro, e já notou como sao sem graca pessoas que nao tem opinião própria?

Miguxa, vou responder aqui seu coment no CaFoFo. Fiquei morreeeeeendo de invejinha (santa kkk) que você foi ver Paul Mc Cartney, se eu visse ele cantando "My love" acho desmaiaria. Ao contrário dos Beatles, gosto dele de montao!
Putz, Leblon é? Nao conheco o Rio, amiga, acredita?? Conheco parte da Europa e nao conheco o Rio, é uma vergonha!! Mas ainda vou conhecer um dia!

Ahh amiga, obrigada pelo magérrima, me senti lisonjeadíssima, vindo de você que tem puro bom gosto, fiquei me "achando" rs

Gostaria muito de poder ver suas fotos do passeio e do show, quando puder mostrar viu!

Ti love! Beijocas

Vera Lúcia Duarte disse...

Ótimo texto, Lena.
Muito elucidativo.
Em certos momentos o diálogo chega a ser um instrumento profundamente desagradável, pois é hora de encarar situações desconfortáveis (no sentido do texto, claro). mas é preciso. Conforme salientado no texto, se isso não ocorrer o final da história será desastroso.
Beijo (já peguei a parte do selo que me cabe).
Bitoca.

Calu disse...

Lena querida,
em meu meio século de vida, pude constatar os efeitos funestos da acomodação, da aquiescência em prol da harmonia que termina em desolação para quem as pratica.De tanto se anular para o bem geral, a gente acaba perdendo a referência de si própria e sorte terá quem abrir os olhos a tempo e reverter essa situação sufocante.
Falando em 1ª pessoa,consegui enxergar a tempo o mal que me fazia e com firmez e sensibilidade retomar minhas questões, minhas posições, minhas escolhas.
è preciso saber dizer Não_ com elegância.
Nossas conversas são sempre prazeirosas p/ mim.
OBS: acredita que ainda não consigo acesso correto em meu blog e em muitos outros que sigo não estou conseguindo postar.Que coisa!
Mil bjkas,
Calu

Ma Ferreira disse...

Lena..te mandei um email..
beijo
Ma

Nosalai disse...

Ah Lena como são engraçadas as coisas amiga! Acabei de mandar esse texto para alguém muito especial para mim!
Vim passar e fazer uma visita amiga! Estou em falta ando com problemas no PC q tento resolver até estou parada nos blogs, passei para dar uma olhadinha no teu cantinho agradável e deixar o meu beijo!

Só pra você disse...

É verdade querida, em alguns casos nos acovardamos, isso é péssimo para qualquer ser humano. Texto muito lindo e verdadeiro.

Beijocas

C. disse...

Kkkkk nós somos tudo farinha do mesmo saco, porque quando eu vi você no Face da Meire me senti um trapo, acredita? kkkkkkk
Ainn amiga, só nós mesmo... vou lá correr te adicionar!!!!!!
Te love,

Tatiana Kielberman disse...

Como é comum evitar saber... mas como deveríamos querer saber!!

Beijos, querida!