10 de janeiro de 2012

A função da culpa



Assisti um documentário no Discovery Channel que tratava de uma pesquisa com pessoas denominadas serial killers ou matadores em série. Uma das coisas que me chamou muito a atenção é o fato de que a maioria deles não se sentia culpado por ter matado ninguém e prosseguiam as suas atividades normais sem nenhum remorso ou consciência do que haviam feito.

Assim acontece conosco. Enquanto não temos consciência de que um ato determinado nos prejudica ou prejudica o outro, continuamos a nossa vida como se tudo estivesse normal. Mas, e quando aparece a culpa? O que fazer com ela? Ou melhor, que função tem a culpa?

As religiões, como um todo, sabiam do significado e valor da culpa, porém se utilizaram e se utilizam dela como forma de nos fazer sofrer pelo ato errôneo que cometemos. Muitas pessoas sofrem com culpa como se ela tivesse a função de castigar-nos pelos nossos atos e através do castigo nossos atos podem ser redimidos. E assim continuamos com culpa e sofrimento o resto de suas vidas.

Será que o castigo traz redenção ou é a consciência e a modificação dos nossos atos que traz evolução... Quantas pessoas hipócritas vemos rezar em suas religiões, porém fora de seus templos continuam agindo da mesma forma de antes? Elas não crescem com a consciência evolucional, acham que só rezar já basta.

As religiões encontraram no castigo a forma mais fácil de controlar atos ilícitos para com a sociedade, mas agora temos mais condição de não sermos tratados como uma massa adormecida e de avaliarmos as coisas com muito mais clareza.

A culpa é um sinal de que nossas crenças e valores devem ser repensados para que nossos atos sejam coerentes e 'ecológicos' com nosso nível evolucional. Creio que a culpa seja um estágio anterior ao próximo degrau evolutivo.

Se você espanca seu cachorro porque acredita que os animais são seres que não devem ser respeitados e, de repente, um dia qualquer, você o machuca de verdade e se sente culpado por isso.... o universo está mandando um flash para iluminar seus valores e consciência com relação aos animais. Você pode escolher se sentir culpado por uns dias e depois voltar a executar o velho ato ou... você pode se sentir culpado para sempre, não fazer mais a mesma coisa porém sem ter consciência do que aconteceu ou.... ter maturidade e mudar seus valores com consciência e amor a você mesmo, sem martírio e chibatadas e aves-maria e etc...

Se você sofre de culpa, seja lá por qual motivo, aprenda que a culpa nada mais é do que a reestruturação de valores, por isso, reflita sobre seus valores e modifique-os. Porém, não leve a vida inteira para fazê-lo, pois a culpa nos deixa deprimidos e sem força de ação. Enquanto que a consciência da lição aprendida nos faz agir de forma diferente e nos deixa orgulhosos de nós mesmos, pois, se Deus nos perdoa, porque nós não podemos nos perdoar, aprender a lição e continuar em frente?

A culpa deixa nossa vida estagnada e, dependendo do grau de gravidade que damos a ela, somatizamos doenças e atraímos mais sofrimento e desgraça para nossa vida.

Por isso, nada melhor do que aprendermos a sacudir a poeira e dar a volta por cima... com consciência, humildade e amor às leis evolucionais desse planeta.


 
Simone Arrojo




6 comentários:

Gisa disse...

Um bom tema com uma excelente análise. Gosto da tua maneira de escrever.
Um grande bj querida amiga

Sandra Portugal disse...

Amiga
A culpa é um tema que, assim como o perdão, mexem bem comigo!

Quero te convidar a dar uma passadinha no Projetando Pessoas pois hoje fiz umas artes por lá, e preciso de sua opinião sincera!
Veja se exagerei?
beijo carinhoso
Sandra
http://projetandopessoas.blogspot.com//

Imac by Artes disse...

Lena querida!
Muito bom esse texto!
Realmente a culpa é um sinal de que nossas crenças e valores precisam ser repensados...
Abraços! Linda noite pra ti.

Paulo disse...

Também gosto dos textos publicados aqui. Minha culpa, minha máxima culpa.
Um beijo grande

Célia disse...

Estigmas da educação de valores quando não analisadas fazem com que deixemos de discernir nossa relação com os mesmos. Necessário uma adequação para vivermos século XXI.

An@ disse...

Um dos temas que mais nos incomoda... a culpa!

Belo texto para reflectirmos!

Um dia feliz feliz
Beijos