27 de outubro de 2012

Ansiedade: um aviso que não pode ser ignorado




Ansiedade: "Comoção aflitiva de quem receia que uma coisa suceda ou não, sofrimento de quem espera, impaciência, desejo veemente, sofreguidão" - Dicionário Aurélio.

A ansiedade é um processo natural a todo ser humano. Mesmo as emoções, consideradas por nós como negativas, tem um propósito na existência humana. Servindo como um sinal de alerta para a mente, ela avisa ao corpo que é o momento de fabricar energia; funciona como ferramenta psicológica de motivação para a realização de uma ação futura.

Porém, o chamado estado nervoso é ansiedade em excesso e pode prejudicar o senso de realidade e a saúde. Insônia, dor de estômago e o famoso "deu branco na hora H", são sintomas de uma condição de preocupação intensa, diminuindo nossa capacidade de realização na vida.

Quando a energia produzida pela ansiedade não é utilizada na realização de uma ação, o desequilíbrio se instala. A pessoa passa a viver apenas na mente, na tentativa de controlar o futuro em pensamento e perde o contato com a realidade presente.

A energia criada pelo sinal dado através da ansiedade existe e precisa ser gasta em alguma ação. A mente procura regular esse desequilíbrio e é obrigada a criar válvulas artificiais de escape para drenar o excesso de energia acumulada. A mais comum delas é a ação de comer compulsivamente. Vícios e distúrbios psicológicos compulsivos estão intimamente ligados ao excesso de ansiedade; são formas de dar vazão a esse desequilíbrio energético.

O nível de frustração da pessoa ansiosa é muito grande. Vivendo no vir a ser, sem nenhuma realização, ela corre um enorme risco de entrar em um processo depressivo. Nosso cérebro funciona como um computador, nossos pensamentos criam circuitos mentais, os quais podem ser saudáveis ou destrutivos. Os circuitos mentais podem ser considerados como o software padrão do computador, lembrando que somos nós os programadores deste sistema.

Nossas crenças e paradigmas dão significado às interpretações das situações da vida. Nossa forma de encarar os desafios da vida é que define a qualidade positiva ou negativa desses circuitos mentais. Assim, alimentar circuitos cerebrais negativos, com preocupações desnecessárias, tem um alto preço físico e mental, além de aumentar as chances de fracasso pessoal.

Identificar a causa da ansiedade em excesso é a única solução de cura do paciente, os ansiolíticos não devem ser usados eternamente. A terapia aliada ao uso de medicamentos é necessária para a solução do problema da ansiedade.

O autoconhecimento exige mais trabalho que tomar remédios. Porém, conhecer a si mesmo traz discernimento, firmeza e liberdade. Tomar medicamentos gera ilusão, dependência e prejuízos diversos. Quando o usuário pára com os remédios, a ansiedade volta e os problemas na vida da pessoa também reaparecem.

O ansioso tem o medo como crença inconsciente, por isso tenta ilusoriamente controlar o futuro, fica maquinando em pensamentos um "plano" de defesa para se proteger desse futuro perigoso, mas sem uma ação eficaz. Alimenta circuitos mentais negativos trazendo exaustão física e mental para o presente.

Os medos podem ser de vários tipos: medo de si mesmo, de duvidar da própria capacidade de realização, da opinião dos outros, de ser inadequado, de decepcionar a expectativa alheia; medo de deixar o passado já conhecido para trás e de explorar novas oportunidades futuras. Apenas o autoconhecimento é que pode mostrar qual é o medo inconsciente causador do excesso de ansiedade.

Ser realista é assumir que a minha postura, conhecimentos e atitudes de hoje, influem no meu sucesso de amanhã. É aceitar em paz o meu limite de não poder controlar o futuro. Sou capaz de lidar bem com qualquer situação, quando faço o meu melhor hoje. Eu não ajo pelo medo e, sim, somente pelo bom senso, fico em paz comigo e com a vida. Eu sou responsável pelo que penso, pelo que sinto e pelo que faço! O futuro a "Deus" pertence; não controlo a vida ou os outros. Mas, Deus ajuda a quem se ajuda, só é livre quem controla a si mesmo.



Gisela Luiza Campiglia 
 
 
 
 

4 comentários:

manuel marques Arroz disse...

A ansiedade e o medo envenenam o corpo e o espírito.

Beijo.

Rô... disse...

oi minha amiga,


a ansiedade é a maior inimiga do bem estar...

beijinhos

Sandra Portugal disse...

Excelente parada para pensar. Vivo numa epoca ansiosa, moro numa cidade ansiosa, atuo numa profissao altamente ansiosa, num mercado de uma competitividade ansiosissima, . . Como nao ser ansiosa? Um eterno desafio!
Parabens pelo Premio/Selo Dardo.
Bj Sandra
http://projetandopessoas.blogspot.com.br//

Lauraine Santos disse...

Preciso deixar a ansiedade...
Pq pelo visto, ela só vei me deixar maluca!!