31 de agosto de 2010

Os 10 mais das novelas

Seja pelo carisma que despertou ou até pela maldade extrema… Alguns personagens de novelas brasileiras fizeram tanto sucesso que, não importa quanto tempo passe, serão sempre lembrados pelo telespectador.


10. Odorico Paraguassu (O Bem Amado)

Um prefeito que tem como carro-chefe de sua gestão a construção de um cemitério, pois quem morria em Sucupira precisava ser enterrado na cidade vizinha. O problema é a sequência de trapalhadas de Odorico Paraguassu - político corrupto, sem cultura nem vergonha na cara - depois que sua principal obra fica pronta e ninguém mais morre na cidade. Foi um personagem que começou no teatro, foi levado à TV, interpretado por Paulo Gracindo na novela O Bem Amado (1973), e acaba de ganhar as telonas.


09. Odete Roitman (Vale Tudo)

Poucas vilãs podem se gabar de ter tido a morte mais comentada da história das novelas brasileiras. A empresária Odete Roitman (Beatriz Segall), com certeza, pode. Foi depois de Vale Tudo (1988) que os autores descobriram a mina de ouro que era lançar um mistério no meio da trama, para solucioná-lo no fim. “Quem matou Odete Roitman?” era a grande questão a ser desvendada, que perdurou por 11 capítulos. Para manter o suspense, a resposta foi gravada (em cinco versões diferentes) apenas no dia em que o último capítulo foi exibido.


08. Bebel (Paraído Tropical)

Poucas candidatas à vilã ganharam tanto a simpatia do público quanto a prostituta Bebel de Paraíso Tropical (2007). Ao lado do mau caráter Olavo, ela formou um dos casais mais famosos e interessantes das novelas brasileiras até hoje. Seu ar de superioridade e a falta de bom senso garantiram à personagem um toque de humor que foi fundamental para o seu sucesso. Camila Pitanga foi quem deu vida à musa do calçadão de Copacabana.
  

7. Jorge Tadeu (Pedra sobre Pedra)

Um fotógrafo que usa o seu charme para conquistar boa parte da população feminina e comprometida de Resplendor. Basta isso para resumir Jorge Tadeu, o galanteador que levou polêmica e levantou a ira de homens casados à novela Pedra Sobre Pedra (1992). Nem seu assassinato foi suficiente para tirar da trama o personagem interpretado por Fabio Jr. A cena mais emblemática ocorre depois de sua morte: as mulheres seduzidas comem os copos de leite que nascem no túmulo e, enlouquecidas, enxergam o fantasma do fotógrafo.


6. Tieta (Tieta)


Nem é possível escolher qual Tieta ficou mais famosa, se a do romance de Jorge Amado, a do cinema ou a da novela, de 1989, vivida por Betty Faria. Mas, fato é que a personagem ficou tão enraizada no imaginário dos noveleiros que não importa a cara que ela tenha, sempre será a mulher arretada que, após ser escorraçada de casa e de Santana do Agreste pelo pai, volta anos depois, rica, ousada e exuberante, pronta para calar os demagogos da cidade, em especial, sua irmã Perpétua.



5. Natasha (Vamp)

A paixão pelo submundo dos vampiros começou muito antes da saga Crepúsculo. Em 1991, era Natasha (Claudia Ohana) quem encantava com uma pele friamente pálida, olhos vermelhos e dentes afiados. A vampira, que conseguiu fama no mundo musical ao fazer um pacto com o mestre conde Vlad, luta para desfazer o acordo e escapar da maldição, ainda mais depois que se apaixona pelo mortal Lipe. Mas é a partir dela que Armação dos Anjos se torna praticamente uma cidade vampiresca.


4. Dona Armênia (Rainha da Sucata)

Dona Armênia é a prova de que nem só de protagonistas vive uma novela. Afinal, a mãe superprotetora de três marmanjos, que falava aos berros que queria ver “a prédio na chon” foi a personagem mais marcante e imitada da novela Rainha da Sucata (1990), mais até do que a “sucateira” Maria do Carmo. Para completar, a Armênia de sotaque carregado vivida por Aracy Balabanian ainda usava e abusava de um visual exageradamente colorido e estampado.



3. Sinhozinho Malta e Viúva Porcina (Roque Santeiro)
Eles são uma coisa só. Afinal, é impossível falar de Sinhozinho Malta (Lima Duarte) sem lembrar da Viúva Porcina (Regina Duarte), e vice-versa. E pensar que até o último capítulo de Roque Santeiro (1985) o autor tentou manter segredo sobre quem seria o escolhido para ficar com ela: se o fazendeiro que se sujeita a imitar cachorrinho ou o personagem que dá nome à trama e acabou relegado a segundo plano neste triângulo amoroso. Como se todos os altos e baixos desse casal hilário e cheio de manias pudesse ser esquecido.


2. Nazaré (Senhora do Destino)

Nunca se viu uma vilã que fez tanto jus à palavra maldade quanto Nazaré, de Senhora do Destino (2004). A ex-prostituta roubou uma criança para comprovar uma falsa gravidez e convencer seu amante a abandonar a família e se casar com ela. Depois, traiu e matou o  marido, que  encabeça a a lista de assassinatos. Renata Sorrah deu à Naza risada maquiavélica e arrogância ao melhor estilo “espelho, espelho meu”.



1. Tonho da Lua (Mulheres de Areia)
Quem consegue manter o sorriso diante de uma imitação de Tonho da Lua? Basta a  combinação entre Ruth e Raquel ou uma gagueira sem querer para que algum engraçadinho emende uma gracinha com o personagem de Mulheres de Areia (1993). É por isso que ele é o personagem mais carismático de toda a história. A interpretação de Marcos Frota como escultor de areia fez com que o personagem com deficiência mental se tornasse o maior defensor de sua amada “Ruthinha”. Por isso, quase ninguém se lembra do intérprete de Tonho na versão da novela, 20 anos antes.


Autor: Pollyane Lima e Silva
 

Um comentário:

Sônia Silvino disse...

Oi, amada!
Compartilhando na Rapa do Tacho, amiga!
Passe por lá!
Beijocas!