11 de fevereiro de 2011

O mar é um milagre sem fim



Quero fazer os poemas das coisas materiais,
pois imagino que esses hão de ser
os poemas mais espirituais.
E farei os poemas do meu corpo
E do que há de mortal.
Pois acredito que eles me trarão
Os poemas da alma e da imortalidade.
E à raça humana eu digo:
-Não seja curiosa a respeito de Deus,
pois eu sou curioso sobre todas as coisas
e não sou curioso a respeito de Deus.
Não há palavra capaz de dizer
Quanto eu me sinto em paz
Perante Deus e a morte. 
Escuo e vejo Deus em todos os objetos,
Embora de Deus mesmo eu não entenda
Nem um pouquinho...
Ora, quem acha que um milagre alguma coisa demais?
Por mim, de nada sei que não sejam milagres...
Cada momento de luz ou de treva
É para mim um milagre,
Milagre cada polegada cúbica de espaço,
Cada metro quadrado de superfície
Da terra está cheio de milagres
E cada pedaço do seu interior
Está apinhado de milagres.

O mar é para mim um milagre sem fim:
Os peixes nadando, as pedras,
O movimento das ondas,
Os navios que vão com homens dentro
- existirão milagres mais estranhos?


                                                                Walt Whitmann

3 comentários:

Kiro Menezes disse...

Comentarei teu post com uma citação:

"Dai a Deus a honra da perfeição."
Abdruschin - Na Luz da Verdade


Assim vivemos, questionando e malbaratando o tempo sagrado e precioso, cismas que não levam ninguem a nenhum lugar!!!

Sigo-te por aqui também, linda.

Beijos...

orvalho do ceu disse...

Olá, Lena querida
Em primeiro lugar, amanhã, em meu Blog de poesia,colocarei os 3 primeiros versos do seu post de hoje...
O mar me fascina e é uma das Belezas do Criador para nós... alivia tensões e extasia à alma da gente!!!
Bjs de paz

soniaconsult disse...

O mar tbm me fascina ,mas de longe, bem de longe.
Recolho para mim o milagre da criação do mar e aquilo que o compõe. Dádivas do Criador que aos poucos estamos destruindo.
bjos