28 de fevereiro de 2011

Para ser feliz




A vida é assim, cheia de contradições, de paradoxos. A frase célebre do poeta português Fernando Pessoa, "Eu sou aquilo que eu perdi", explica bem isso. Ela mostra que é a forma como reagimos às perdas que determina a nossa vida. São justamente essas curvas no caminho que definem para onde vamos, a força e a coragem que temos.

Por que algumas pessoas reagem melhor do que outras? Por que algumas levam melhor a vida e logo dão a volta por cima depois das pancadas? A vida é uma corrida de obstáculos. Apesar de não podermos escolher a quantidade de dificuldades que teremos a cada ano, podemos escolher como vamos enfrentá-las.

Todas as pessoas têm uma capacidade individual inata, ou então adquirida, de luta. Lutar é preciso, até mesmo para descobrir as próprias forças e os próprios limites. Tenho certeza de que não existe ninguém que você conheça que não teve que lutar bravamente com alguma dificuldade. Então, a diferença não está em quem batalhou, quem não batalhou. Está na forma como cada um se sente, se percebe. Se como vítima ou como sobrevivente.

Quem são as vítimas? Vítimas são as pessoas que ficam paralisadas, sentem-se impotentes diante da realidade, sem poder para mudar o que precisa ser mudado. Enquanto os sobreviventes são todos os que continuam lutando, apesar das circunstâncias adversas.

Então, não adianta só reclamar. As queixas não podem se transformar em um hobby da moda, como por exemplo: "Como a gente pode ser feliz se o mundo não é perfeito, se o casamento não é aquela oitava maravilha, se os negócios só dão preocupações?"

Se você investir toda a sua energia só em lamentações, não vai sobrar nada para a vida. Essa energia é preciosa, não pode ser jogada fora, desperdiçada. Sabemos que não temos controle sobre tudo o que acontece à nossa volta, mas de certa forma somos co-autores do destino. Apesar dos pesares, existe uma fome de dar um sentido à própria vida, uma fome de felicidade. A pergunta que surge é: "O que faz a vida ter significado, valer a pena?"

Alguns autores acreditam que a finalidade da vida é o próprio processo de viver. Não só o processo biológico - nascer, crescer, morrer -, mas tudo o que as pessoas sentem e pensam, a soma de todas as vivências.

Outros pensadores acreditam que é procurando desenvolver globalmente a própria personalidade que se dá um significado para a vida. Portanto, ao atualizar seu potencial, crescendo e se desenvolvendo intelectual, emocional, sexual e espiritualmente é que as pessoas se realizam. Há quem diga que o sentido da vida está em realizar tarefas específicas (cuidar, proteger, ensinar, aprender). Isto significa que o papel do homem é basicamente dar e receber, proteger e ser protegido, ajudar e ser ajudado.

Outros acham que a vida se assemelha a uma corrida de revezamento, em que o mais importante é cada geração transferir para a próxima tudo o que acumulou. Muitos se sentem insatisfeitos e querem transformar a realidade. Dar um sentido especial à vida pode deixá-la um pouco mais bonita. Para muitos, o elemento fundamental, a força motora da vida, é o amor. Portanto, amar e ser amado são as justificativas básicas da existência.

Como sabemos, não nascemos com o direito à felicidade, mas simplesmente com o direito de buscá-las. Por isso, coragem. Examine sua vida e faça as pazes com ela.


Maria Helena Matarazzo

4 comentários:

R.B.Côvo disse...

Acho que tem razão quando diz que a vida é uma luta, é preciso lutar, sim, todos os dias. Abraço.

AOSOLHOSDAALMA.BLOGSPOT.COM disse...

Lena que post,,mais linda amiga fazer as pases com a vida com o mundo deixando de lado o pessimismo,os
maus fluidos e enegias negativas aumentando assim,nossa auto estima
e nossa fe crendo que Deus,e´por nos em todas as horas da nossa hesistencia,um abaço com carinho marlene

Kiro Menezes disse...

Linda, gostei muito do texto, mas essa frase eu discordo (parte da minha natureza *-*):

"Como sabemos, não nascemos com o direito à felicidade, mas simplesmente com o direito de buscá-las."

É um direito pois se não fosse, as crianças seriam tristes!

E é bem o contrário, as crianças é que são felizes, os adultos deixam a vida se tornar um mar de mentiras - MENTIRAS BRANCAS - ofensas, despudores, malbaratar...

Temos o direito de sermos felizes - e se não o somos, estamos fazendo algo errados. Dai sim, lutar para reconquistar nosso direito!!!

Que a vida seja uma luta, essa é nossa maior alegria, pois são as lutas e os sofrimentos que nos levam ao conhecimento e ao reconhecimento da simplicidade do Criador!

^_^•

Beijinhos Flor ♥

laurinhando por ai disse...

Lena
Lindo texto!!!
Refletindo sobre tudo que já passei, fiquei feliz olhando minha trajetória!
Passei momentos bem conturbados, me desesperei mas...hoje, estou bem!!
Consegui olhar meu passado sem tristeza e ver que meu futuro depende do meu presente .Do limão fiz limonada e coloquei um gelinho que ninguém é de ferro.
bjos
Laurinha