23 de março de 2011

Sua vida de adulto é muito chata?




Penso ser isso uma situação a ser muito bem ponderada por todos nós, afinal de contas a vida bem pode ser vivida como uma brincadeira, mas uma brincadeira muito séria.

Esta história toda da vida do adulto ser chata deve ter tido suas raízes em amargas palavras e orientações que vieram lá de trás, da infância; onde recebemos todos os tipos de informações durante o a época de crescimento, e sem saber avaliar o que exatamente cada um quer dizer vamos guardando tudo num baú que sem fundo...

Uma pastinha, um arquivo na memória, com um novo talvez sugestivo e talvez até mesmo engraçado nome como:- "Informações a serem usadas somente quando crescer!" E às vezes não são dados muito bem esclarecidos, apenas apontamentos sobre o que deveremos fazer numa determinada situação quando já formos grandes.

Ora, nem tudo que se ouve se aproveita mesmo vindo de um adulto do tipo querido e poderoso das sombras da infância. Não por ser bobagem o que o tal adulto falou, mas será que cabe no contexto de hoje, na situação vivida agora? Alguns conceitos e ensinamentos sim, outros com certeza terão de ser avaliados quando a situação de agora assim o exigir.

Esta ideia de que a vida do adulto responsável é chata e sem graça, por exemplo, é algo a ser pensado e repensado com muito cuidado e carinho.

"Falas" que foram ouvidas inúmeras vezes durante toda a infância como:- "aproveite que um dia esta farra toda acaba, e aí sim você vai ver..." acaba na verdade deixando um amargor permanente na visão do futuro. Que tudo será só dureza na vida adulta, tão somente problemas e dificuldades a serem resolvidas.

Quem quer crescer se tornar-se adulto é perder a alegria e a espontaneidade que tem e vive durante os anos dourados da infância?

Já trabalhei com muita gente que trouxe para a psicoterapia medos que não lhes pertencem, medos de viver uma vida adulta mais plena e feliz por estarem ainda com referências ouvidas e assimiladas na infância; medo de ser um adulto feliz, pois, ser adulto é ser chato, preocupando em pagar contas e "carregar pedras", um sofredor. Sem espaço algum para a alegria, o que acaba por ir deixando a criança livre lá de trás, aquela que andava de bem com o mundo, sem ar para respirar e se soltar nos tempos de hoje.

Fazer as pazes com as informações e ensinamentos recebidos durante a meninice é garantir uma vida adulta mais sadia e mais leve, sem precisar se fixar só no padrão que foi passado de geração para geração sem uma avaliação mais apurada sequer, pelo simples fato que não era muito o costume questionar ensinamentos dos mais velhos; apenas ouvia-se e depois tratava de viver com estes conceitos, mesmo que isso significasse
tê-los atravessados na garganta.



Cássia Marina Moreira
 

4 comentários:

Sam disse...

Por isso cultivo a minha criança sempre como semnte a me mostrar a necessidade de florir nos meomentos em que me adultece demais.

É minha esência indispensável, daquelas que se carrega no bolso, num pingentinho com perfume.

Que linda reflexão, Lena bonita!

Abraços, flores e estrelas...

Van disse...

Deus nos deu 5 sentidos e quando nos tornamos responsáveis por nós mesmos podemos sim fazer escolhas e abandoram velhos ensinamentos que não cabe em nós, que torna nossa vida sem cor, usar os cinco sentidos e um a mais o da percepção interna colore a vida .

Bo quinta, Lena, beijos!

Kiro Menezes disse...

É isso ai amore, lindo texto e ótimo conselho.

Seja criança! Idade é para reles mortais de mente restrita!

^_^•

Ser criança é saber se divertir, é sentir alegria com coisas minusculas!

Um beijo, menininha!!!



Amei suas passagens nos meus cantinhos, seu carinho é mto bom!!!

Amo vc, guriinha ♥

Leandro Ruiz disse...

Pena que muitos não não mantém vivos dentro sí mesmos aquela criança com uma inocência saudável!!

A paz!!!