24 de abril de 2011

(Re) Descobrindo a vida




Quando perguntamos para uma criança: "Você me ama?", ela não se limita a dizer que sim. Abre os braços e mostra: "Esse tanto". Para ela, o amor tem um tamanho palpável. Mais tarde, tentamos demonstrar de muitas e muitas maneiras quanto é "esse tanto".

A psicanálise nos ensina que aqueles que foram bem amados na infância ao crescer tentam encontrar um companheiro para recriar o paraíso perdido, o mundo perfeito da infância, enquanto os que sofreram privação, que não foram desejados nem queridos, buscam alguém para compensar esse vazio.

Assim, vamos pela vida querendo amar para copiar, recuperar o que tivemos ou para compensar o que nunca nos foi dado. Em qualquer um dos casos, sentimos medo: medo de abrir o coração, porque nos expomos ficamos vulneráveis ao risco da desilusão, da rejeição.

É assustador amar: às vezes, um homem diz: "Que desgraça, acho que me apaixonei!" Isso porque se apaixonar pode parecer uma sucessão de quedas livres, como pular de um avião em pleno vôo... A sensação é única, entretanto, o risco é imenso.

O escritor irlandês Oscar Wilde disse que certas tentações são tão grandes que é preciso muita coragem para ceder a elas. Mas todos sabemos que, na vida, se aprende mais com dez dias de agonia do que com dez anos de felicidade.

Quando amamos, sentimos um prazer exuberante, equivalente ao de um homem dirigindo um carro novo, fascinado com seus poderes recém - adquiridos. Entretanto, parece que existem três fases, três etapas, no processo de conquista do outro.

A primeira - a do deslumbramento - dura um dia, um mês, dois meses - se for verão. Desde mais cedo na nossa vida, a excitação se mistura com a superação de obstáculos.

Então, à medida que nos desenvolvemos, vamos criando nosso mapa interno de excitação. Neste mapa estão os riscos que enfrentamos, nossos conflitos, nossas lutas pessoais. Superar as barreiras é, portanto, o teste da nossa força e também da força da atração que estamos sentindo pelo outro.

Já a segunda fase da conquista pode ser tão curta quanto um telefonema, dependendo dos nossos medos, das nossas dúvidas, ou tão longa quanto forem nossos desejos, nossa fome, nossos sonhos eróticos, e durar muito tempo. Essa segunda fase pode ter um sabor salgado, incrivelmente doce ou doce - amargo.

Mas a terceira e última fase, bem, esta nunca sabemos se vamos atingi-la ou não. Por isso sentimos aquele tipo de medo estranho chamado coragem. Nela, rapidamente (ou lentamente), cada um vai mostrando seu jogo, pondo as cartas sobre a mesa, pensando: "Eu sinto; eu quero; eu posso".

Os dois vão-se abrindo, revelando seus sentimentos, seus pensamentos, e a fronteira entre o permitido e o proibido começa a se dissolver. Mergulha-se no jogo do vai e vém, das trocas, do sexo variado, às vezes, simplesmente guloso, outras vezes, gourmet.

Começa agora, de fato, a descoberta de outro. Quando amamos de verdade, amamos porque o outro é isto, isso e aquilo e apesar de o outro não ser nem isto, nem isso, nem aquilo. É nessa fase que se quebra a barreira entre a fantasia e a realidade.

Então, quando a pessoa se percebe sendo correspondida, aceita e amada por aquilo que ela é, o nível de intimidade vai-se aprofundando e acontece a entrega.

Mas esta entrega não é fácil! É preciso muita coragem para viver as incertezas do amor. Por outro lado, é preciso enfrentar o medo, as dificuldades, porque são elas que nos forçam a prestar atenção em nós mesmos e na luta pelos nossos sonhos.

O que buscamos na vida não é passar somente de raspão pelo amor. O que todos nós queremos é criar uma relação emocional em cadeia, para poder ir abrindo os braços, mais e mais, até chegar "nesse tanto".



Maria Helena Matarazzo 



12 comentários:

Poeta del Cielo disse...

Lena amiga que letras con um mensagem lindo de sentir e por na pratica na vida... belissima entrada amiga... sempre adoro leer suas entradas aprendo muito...parabens amiga

saludos
otimo final de semana
abracos

Phausca disse...

magnifica exposición.
"Eu sinto; eu quero; eu posso", en esta frase se resume todo lo que nos es necesario para alcanzar una vida plena, con auténtico amor y coraje para vivirlo!

un abrazo.

Sonhos De Deus disse...

Bom dia minha querida...muito lindo,sei que está semana ja ti desejei feliz pascoa aaaa perdi as contas rsrs,senti saudade e to aqui...
Quero ser a tua amiga
Nem demais e nem de menos
Nem tão longe,
nem tão perto.
Na medida mais precisa que eu puder
Mas amar-te, sem medida
E ficar na tua vida...
Sinto o ser iluminado que vc é
vc sabia?Que tuas mensagens ilumina meu dia...
vc ja é pr mim alguem muito especial e querida, este amor é de Deus amiga ti amoooo bjks no teu coração feliz pascoa vc e familia!!!

Catia Bosso disse...

Lena Lindona!!! Que texto apaixonante sobre um assunto sempre tão conflitante em nós, adorei! Aprendi e revivi com você, sabe que muito do que escreveu, eu, na minha santa ignorância, só consegui captar para minha vida, depois dos 32 anos, (tenho 35) afff a gente sempre tem que acompanhar a maturidade com discernimento, do contrário, não vivemos e sim ficamos eternamente numa expectativa sem rumos...

Bjs de chocolate (pela ultima vez, a partir de amanhã, dieta pra todos rsrs)

Catita

mariaclaudete disse...

Lena, que mensagem mais apropriada para essa data. Adorei. Feliz Páscoa. Amo o seu blog. Ele me faz muito bem.Um abraço.

Jorge Luiz disse...

Cada vez mais adoro seu blog!! Muito bom seus textos!! Um grande abraço!

Claúdia Luz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
C. disse...

Esse texto lembrou muito aquele da "paixão", mas com outras palavras.

Temos fases na vida, em algumas nao queremos passar somente de raspao pelo amor, e em outras tudo que mais desejamos é passar bem longe.

Confesso que a maior parte do tempo estive na segunda fase, talvez por isso nao saiba o que significa o verdadeiro amor, se é que existe.

Um beijo!

Fabiola disse...

O mais difícil é conseguirmos passar da segunda fase. Ver o outro e compreender o sentido do que vemos aff! dá um trabalho ...rs... Aproveite seu domingo de Páscoa ! Com carinho, um abraço, Fabiola.

maria albertina disse...

As escritas sao verdadeiras. A vida é assim mesmmo. Passamos por fases, medos, paixoes, desilusoes. Se tudo fosse maravilhoso, qual a graça em lutar, em correr atras daquilo que almeja? Temos que nos arriscar e sempre amar.
Feliz semana para você.

Eliane Accioly disse...

Que blog lindo e delicioso!

Eliane Accioly disse...

Mais gente e menos pessoas é impagável! E verdadeiro :)
que triste, mas que humor.