16 de julho de 2011

A maturidade afetiva



A afetividade não está por assim dizer encerrada nos sentimentos, mas permeia toda a personalidade. Estamos continuamente sentindo aquilo que pensamos e fazemos. Por isso, qualquer distúrbio da vida afetiva acaba por impedir ou pelo menos entravar o amadurecimento da personalidade como um todo.

Observamos isto claramente no fenômeno de "fixação na adolescência" ou na "adolescência retardada". O adolescente caracteriza-se por uma afetividade egocêntrica e instável. Essa característica, quando não superada na natural evolução da personalidade, pode sofrer uma "fixação", permanecendo no adulto: este é um dos sintomas da imaturidade afetiva.

É significativo verificar como essa imaturidade parece ser uma característica da atual geração. O homem, esse desconhecido: vivemos hoje o drama de um desnível gritante entre o fabuloso progresso técnico e científico e a imaturidade quase infantil no que diz respeito aos sentimentos humanos.

Mesmo em pessoas de alto nível intelectual, ocorre um autêntico analfabetismo afetivo: são indivíduos incompletos, mal-formados, imaturos que estão preparados para trabalhar de forma eficiente, mas são absolutamente incapazes de amar. Esta desproporção tem consequências devastadoras: basta reparar na facilidade com que as pessoas se casam e se "descasam", se "juntam" e se separam.

O conceito de amor que se cultua na nossa época parece que se retrocedeu a uma espécie de adolescência da humanidade, onde o que mais conta é o prazer. Este fenômeno tem inúmeras manifestações.

- Edifica-se a vida sentimental sobre uma base pouco sólida: confunde-se amor com namoricos, atração sexual com amor profundo. Incapazes de um amor maduro, pessoas acham que é mais fácil conquistar do que manter a conquista.

- Diviniza-se o amor: a pessoa imatura idealiza a vida afetiva e exalta o amor conjugal como algo extraordinário. O amor é uma tarefa esforçada de melhora pessoal durante a qual se burilam os defeitos próprios e os que afetam o outro cônjuge.

- No imaturo, o amor fica "cristalizado” na fase de deslumbramento, e não aprofunda na "versão real" que o convívio conjugal vai desvendando. Quando o amor é profundo, as divergências que se descobrem acabam por superar-se.

- A pessoa afetivamente imatura desconhece que os sentimentos são dinâmicos. A pessoa madura sabe que o amor se constrói dia após dia, lutando por corrigir defeitos, contornar dificuldades, evitar atritos e manifestar sempre carinho.
- O imaturo quer antes receber do que dar. Amar para ele é uma forma de satisfazer uma necessidade afetiva, sexual, ou uma forma de auto-afirmação.

Os sentimentos são caminho de ida e volta, onde deve haver reciprocidade. A pessoa imatura acaba sempre queixando-se da solidão que ela mesma provocou por falta de espírito de renúncia. A nossa sociedade esqueceu quase tudo sobre o que é o amor. Não há felicidade se não há amor e não há amor sem renúncia. O imaturo pretende introduzir o outro no seu projeto pessoal de vida, em vez de tentar contribuir com o outro num projeto construído em comum. A felicidade do cônjuge, da família e dos filhos: esse é o projeto comum do verdadeiro amor. Quem não é solidário termina solitário.


Rafael Llano Cifuentes 

Minnie Riperton- Loving You (Is easy cause your beautiful)


32 comentários:

Perfeita Ordem disse...

Mais um lindo texto minha amiga!
Somente com muita renúncia,muita solidariedade,muito companheirismo e compaixão pelo outro conseguiremos ser felizes e principalmente fazer o outro feliz.
Beijos e um lindo final de semana!

cidinha disse...

Oi, Lena. Belo texto!Todas as colocações são exatas! As pessoas afetivamente imaturas desconhece que os setimentos são dinãmicos. A madura sabe que o amor se constrói dia após dia. Estive ausente, más já estou de volta . Senti saudades! Obrigada pela visita! Bjs e Bjs. Lindo fim de semana...

Sandra Portugal disse...

Estou sem palavras para comentar!
Demais!
bjs Sandra
http://projetandopessoas.blogspot.com//

euemeuimbigo disse...

Olá, tenho lido seus textos, são realmente muito bons! De fato, noto essa tendência das pessoas em, como você tão bem coloca, divinizar o amor, não há a consciência de que amor tem que ser construído a dois. Sou casada a 23 anos e confesso que demorei um pouco para entender isso, o aceitar o outro; a renúncia de que você fala é uma coisa boa, quando há reciprocidade. As pessoas parecem confundir a paixão com amor e nem se dão tempo para perceber a diferença.
Parabéns pelo excelente texto!

Catia Bosso disse...

Ah! A maturidade... cada vez que penso, sinto! Mais e mais tentamos fugir da velhice, porem, queremos a maturiadade, e ao fim, uma leva à outra! Bom texto!

LenaLindona! bjs meus

Cat

SOL da Esteva disse...

Lena

Magnífica análise sobre a maturidade.

Atrevo-me a reproduzir:
"Os sentimentos são caminho de ida e volta, onde deve haver reciprocidade."

Isto, o princípio do Amor, qualquer Amor.

SOL da Esteva
http://acordarsonhando.blogspot.com/

ELIANA-Coisas Boas da Vida disse...

PASSANDO PARA DESEJAR UM FIM DE SEMANA ABENÇOADO E FELIZ!

Paulo Francisco disse...

Dificil, né? Viver o amor na racionalidade não é para qualquer um.
Um beijo grande

E daí?? disse...

Nossa este post parece que foi escrito para o meu ex marido. Ele deveria ler e guardar com ele cada linha. Uma pessoa egoísta imaturo e que pensa como um garoto de 15 anos.

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

Adorei o texto e dou-lhe toda a razão. Hoje os relacionamentos não duram e é essa imaturidade de sentimentos e incapacidade de amar de ser generoso, de ser paciente que nos leva a essa falta de convivência, a esse isolamento afectivo; nisso a nossa sociedade regrediu muito, o que é uma pena. Depois de um mês de ausência, aqui estou a visitar os meus amigos; aos poucos fui visitando cada um e aqui cheguei hoje. Espero que esteja tudo bem e que tenhas um bom fim de semana. Um beijinho e até breve
Emília

Vinicius.C disse...

Olá Lena!!

Faz um tempinho que não venho aqui mas, nunca é tarde e sinto-me mais uma vez bem vindo.

Bom.. tenho 21 anos e já sou grisalho, a maturidade veio até mim como que guela a baixo.. rs

A vida e suas curvas fizeram-me considerar uma maturidade forçada, por vezes sou um tanto ranzinza para minha idade, outras sou o verdadeiro menino dos contos imaginários... rs

Adorei estar aqui!

Que vc tenha um ótimo dia!

Espero por vc no Alma!

AquilesMarchel disse...

vocé é chata de tão perfeita
rsrs
to me analisando on line com voce
quando voce vai falar das pessoas dependentes de amor
corações partidos incuraveis
ou ja falou?
abraçõs

mfc disse...

O amor só pode ser uma construção sempre inacabada... e persistente!

RELTIH disse...

UN EXCELENTE ARTICULO, MUY SOBRIO Y CERTERO. GRACIAS POR COMPARTIRLO. UN GUSTO VISITAR SU ESPACIO.
UN ABRAZO

Peônia disse...

Quantos problemas à personalidade não causam uma afetividade mal trabalhada...
Beijo flor!

Marly Bastos in "palavreados ao vento" disse...

Afetividade, na verdade são os meus "sentires" de todas as formas e cores.
E uma verdade única nessa frase:" Não há felicidade se não há amor e não há amor sem renúncia."
Quem não renuncia parte de seus projetos para o moldar ao de outrem, não consegue amar plenamente. Porque o amor é destituído de individualismo.
Beijokas doces querida Lena. Que tenhas um fim de semana menos "punk". Eu entendo como é esses dias que a gente chega so querendo uma cama. Eu tenho dias que fico tão cansada que gostaria que o mundo acabasse em cama.
Te gosto de montão, flor linda do meu jardim.

QUIM disse...

Lena sempre bom te ler ,encontro sempre um assunto que me desperta a curiosidade..e me obriga a responder sempre..apesar de nem sempre concordar..rs..Eu guardo afectividades...mas sempre tive a capacidade de me desligar disso !exemplo eu sou capaz de ignorar por completo quem me fere muito..nem importa quem...Mas sou fácil no perdoar...bjs minha querida..bom dia..

Calu disse...

Coloco o tema na prateleira dos males dos tempos atuais.Vi tudo configurar-se durante minha atuação profissional, pois ao lidarmos com crianças e jovens acabamos lidando tbém com as famílias e nos envolvendo em muitos dramas acontecidos por causa da Dona Imaturidade.Pais que agiam como adolescentes, outros que eram omissos, outros mimados, há ainda os violentos, enfim, o painel é rico e variado, infelizmente.
O texto foca mais no amor dum casal, mas pode ser ampliado para todas as manifestações relacionais humanas, onde vêem-se desilusões grotescas motivadas pela Imaturidade.
Adoro participar dessa terapia em grupo, Linda Lena.
Bjkas mil,
Calu

soniaconsult disse...

aniversário do João do blog sobre o tempo
blog aniversário dos amigos
obrigado...eu confundi as datas
o aniversário foi no dia 13!
Desculpa!

Meire disse...

Minha llinda anjinha de diamante, tu escolhe um texto melhor que outro!!!

Para mim a questão da maturidade é estar atento e aberto a lições que a vida e as nossas estateladas no chão têm a nos ensinar. Se não estivermos com os olhos bem abertos podemos deixar lições essenciais para nosso amadurecimento passarem batidas. Por isso encontramos por aí pessoas já adultas com comportamento de adolescente. Em alguns casos vemos as pessoas num círculo vicioso, findando relacionamentos sempre pelo mesmo motivo e vivendo tudo de novo a mesma história.

Adorei o último parágrafo; uma pessoa não é o que faltava na outra, mas sim um complemento.
Essa troca é tudo de bom!!!

Vc tem sido um pote cheio de carinho em minha vida e cada vez que se abre agradeço a Deus por ter vc sempre por perto, mesmo que longe! Tu é linda!


Amiga de ouro de my life te amo de montão!!!
;)

* Verinha * disse...

Muito bom esse texto Lena.. realmente nos dias de hoje tudo é deslumbramento e quando a coisa começa a "complicar".. acaba desmoronando o que supostamente era denominado "amor".

Grande beijo em seu coração e um lindo fim de semana para você!

Verinha

Janinha disse...

Aprendi mto os poucos minutos q estive por aki...

Bjooo

Ingrid disse...

sempre escolhas de peso Lena..
sempre ler e reler..
beijos querida

Paula Moraes disse...

Oi Lena, tem toda razão, eu mesma tive essa adolescência tardia, na verdade, eterna, pq aproveitei muito bem a minha...Tanto que gostaria que nunca houvesse acabado...=)
Me casei 4 vezes e me separei em todas, a facilidade de separar deixa com que nós fiquemos muito de pavio curto...Se isso não me faz feliz, me separo e pronto, mas creio que aprendi, a paixão não dura pra sempre...E um dia quando ela acaba, se o que ficar não for suficiente vem a separação, construir algo que fique depois da paixão é um exercício de paciência e fé.
Agora estou aprendendo com meu marido, ele tem a paciência que NUNCA tive e está me ensinando...=)
Bjs e bom domingo.

José Ramón disse...

Lena Interessante quanto a entrada verdade. Obrigado por Abstraction seguintes textos e Reflexão.
Que diz respeito ...

Leninha disse...

Querida Lena,belíssimo texto,como sempre,a nos fazer meditar sobre os relacionamentos.
Bjsssssss,Leninha.

Rosemildo Sales Furtado disse...

Oi Lena! Fiquei muito feliz com a tua visita e, principalmente, por te tornares seguidora do nosso humilde espaço. Isso somente aumenta a minha responsabilidade de melhorar tudo aquilo que crio e escrevo. Espero que voltes mais vezes, pois será sempre um prazer renovado. Eu, particularmente, aqui voltarei mais vezes, pois, além de teres um espaço interessante e bastante aconchegante, tomei a liberdade de me tornar teu seguidor, isso até quando permitires, é claro.

Quanto ao post, belo e bem coordenado texto. Realmente, num verdadeiro amor tem que haver reciprocidade, assim como, um pouco de cessão das partes, ou seja, cada um aceitar as virtudes e defeitos do outro.

Bela escolha minha nova amiga. Parabéns!

beijos e ótimo final de semana pra ti e para os teus.

Furtado.

Artes e escritas disse...

Um bom texto Lena, a variação dos autores está bastante boa. Um abraço, Yayá.

Aclim disse...

É só o egoísmo em sua força total, mostrando sua devastação.

Abraço

Severa Cabral(escritora) disse...

vc é realmente um diamante!!!
Meire é feliz por ter te achado nesse universo virtual...e eu tbm viu,vc tem que dividir todo seu amor e carinho comigo tbm,rsrsrssrs,mas eu sei que seu coração é grandioso e cabe todos...
Precisamos renunciar todos os dias para viver bem com as outras pessoas...
Bjs para aquecer nossa amizade!

MARILENE disse...

Essa imaturidade é perigosa e cada vez mais frequente. O conceito de amor é aprendido no seio familiar. Daí, sonhos impossíveis, porque superam limites. A espera de sempre receber, sem retribuição.

Quem não o apreende da forma correta, terá que aprender na vida. Por isso, demoram tanto para alcançar essa necessária maturidade. E, infelizmente, alguns passam a vida toda sem conseguí-lo.

Bjs.

Tatiana Kielberman disse...

É raridade... Maturidade é artigo em extinção, infelizmente!

Beijos, amada!!