5 de setembro de 2011

O ódio e seus filhotes




Qualquer sentimento, seja de amor, inveja, ciúme, medo, ódio ou ternura, não é controlável do jeito que supomos ou desejamos. Eu quero dizer que situações, que contextos de vida inevitavelmente podem nos atingir: atiçam nossas vísceras, mecanismos de neurotransmissão entram em ação e o corpo fica diferente, pensamentos e imagens são evocados. Há uma pegadinha nesta minha argumentação e preciso salientar que estou, ao menos por enquanto, estritamente me referindo ao domínio do sentir, que abrange as emoções e os pensamentos correlatos a elas.

No trânsito, por exemplo, quando uma moto corta nossa frente de modo imprevisto e perigoso, sentimos medo, susto, irritação e/ou raiva. Parte dessas reações é fruto da história de evolução da espécie, nosso corpo fica naturalmente agitado, em prontidão para se defender de um ataque, de tocaia contra o que nos ameaça, seja um tigre (no caso do homem pré-histórico) ou um veículo mal dirigido, na contemporaneidade.

E daí? De que vale saber dessas coisas? A questão é que há pessoas que ficam num estado alterado por muito mais tempo, ou numa intensidade absolutamente desproporcional à ameaça representada pelo motociclista imprudente. Alguns saem em perseguição, outros disparam uma arma de fogo em direção à moto, a gente fica sem saber quem teve ou deixou de ter razão num caso desses. Imprudência no trânsito resultando em violência urbana, esse seria o resumo desta historinha.

Há também o caso do motorista que não reage explicitamente ao deslize do motociclista, mas cuja pressão arterial sobe naquele exato momento ou que chega ao trabalho espumando de raiva e descarregando a irritação no office-boy, que de nada teve culpa.

Pois é, a agressividade de um sujeito ao pilotar a moto deflagraria a agressividade ou o adoecer de outro sujeito, o qual pode se tornar agressivo com terceiros. OK, tudo aqui é de faz-de-conta, mas eu garanto que tramas similares são plausíveis no mundo real, fora das novelas das oito. Agressividade gerou raiva, que gerou mal-estar e mais agressividade.

Lá no começo eu disse que não dá para controlar o que se sente. Então um apressadinho concluiria que estamos fritos e nada há para se fazer. Nada disso. Podemos, na verdade, exercer algum controle pessoal e de uns sobre os outros, mas em termos do que fazemos, e não em termos do que sentimos.

Que escolha eu faço quando piloto como búfalo selvagem? Quem sou eu, que resolve conflitos com balas de revólver? Que desconexão existe entre o que eu faço e valores que supostamente eu afirmaria defender, como a compaixão, prudência, amizade, etc.?

É possível planejar estratégias sociais para promoção de comportamentos de paz e de bem-estar. No meu artigo eu poderia falar do papel do poder público, dos responsáveis pela lei e por sua real implantação. Poderia, outrossim, falar de fé, de religiões e de amor ao próximo. Prefiro outro caminho. Podemos aprender a aceitar o que sentimos (raiva intensa, por exemplo) sem precisarmos reagir aos sentimentos que forem pouco benéficos a nós e aos outros.

Você sabia que praticantes regulares de yoga e de meditação costumam ter reações físicas e emocionais menos exaltadas frente ao mundo? Essas pessoas aprendem, através de um treinamento bem orientado, a aceitar seus sentimentos, mas a permanecerem em contato com a dimensão construtiva do mundo, seus organismos são mais compassados e suas emoções são compassivas. Aprendem a julgar menos (a si mesmos e aos outros) e a se acalmarem mais, mantendo o foco nos valores mais relevantes, relacionados ao bem-estar individual e coletivo.

Procure informações a respeito de práticas como meditação e yoga, aceite suas emoções, e eduque seus atos amorosamente. Este é um bom começo para uma sociedade melhor, e trata-se de um caminho que só depende de você.



Regina Wielenska 



29 comentários:

Paulo Francisco disse...

Controlar nossas emoções. Aprender conviver com as emoções alheias.
Exercício diário!
Adoro os textos daqui.
Uma ótima semana pra ti.

Regilene disse...

Estou aqui lendo mais um texto maravilhoso e deixando um afetuoso abraço em seu coração!

Peônia disse...

Como sempre Flor mais um post com conteúdo e reflexivo!
Beijos querida!
Semana linda pra ti!

Ivana disse...

Lena, minha querida,
Mais um texto reflexivo muito apropriado. Praticar uma atividade física é fundamental, muito importante para a saúde física e mental. Um abraço, uma semana maravilhosa,bjs

Su disse...

bom dia minha amiga querida...

sair por aí aos berros não leva a lugar nenhum a não ser a "problemas de saúde" e "causar mal estar para si mesmo e para os outros"... Não que a gente seja de ferro e não tenha vontade de "esganar" o motorista que cruza a nossa frente numa contra-mão, num sinal vermelho, etc... Mas a melhor coisa é contar até 1000,rsrs e saber conter nossos impulsos mais primitivos... Sou mega a favor da Yoga e da meditação, tanto que pratiquei um bom tempo, na verdade sou ultra da paz, às vezes passo até de boba... mas tudo bem, prefiro ser assim a sair por aí agredindo as pessoas gratuitamente, quando na verdade a gente tem mesmo é que ter um certo equilíbrio e pensar antes de agir, ou falar bobagens... o silenciar é o melhor a fazer na hora da tensão... assim não nos ferimos e nem a ninguém...

beijos minha bibliotecária mais linda e uma segunda de muita paz e amor!

Su.

Sweet Babies disse...

Obrigada Lena por ser minha mais nova amiga virtual!

Lidar com emoções é sempre mto dificil nos dia atuais,mas eu tento!

Abraços fraternais
Flávia

Will disse...

Oi Lena,

nessa perspectiva, o ódio parece um cupim querendo ruir as madeiras de nosso navio, no bravio mar que é a vida.

Semana de paz para você!

mfc disse...

O auto controlo treina-se e é uma ferramenta utilíssima!

cidinha disse...

Olá Lena. Belo exemplo esse texto para inicio de semana. Saber e procurar controlar emoções. Obrigada amiga pelo seu carinho semple! Bjos e um abraço master para vc, como diz Meire. Linda semana com muita luz!!

Marli Boldori disse...

Lena,eu estava à procura de algo mais do que uma simples leitura e encontrei aqui em seu maravilhoso espaço.Estou em falta com muitos amigos dos blogs,porém na medida do possível faço-lhes uma visita.Seu texto é extremamente interessante.Parabéns,um grande abraço!

An@ disse...

É preciso ter uma atenção diária a nossas actos e pensamentos.

Post muito bom
Gostei

Beijos
Uma semana iluminada

QUIM disse...

Autocontrole algo muito importante..agente se lembrar que tudo tem uma consequência,,beijo querida um lindo dia para tu..

RELTIH disse...

CREO QUE NO HAY QUE PRACTICAR TANTO, SÓLO HAY QUE SER NATURAL.
UN ABRAZO

JAN disse...

CONVIVER NÃO É FÁCIL, MAS É PRECISO;-)

BJÃO
JAN

Lu Cavichioli disse...

Oi Lena, boa tarde!

O nome do teu blog já dizia que seria um prazer eu conhecer, visitar e seguir!

Tudo muito lindo e reconfortante por aqui. Voltarei com mais calma pra te ler.

Teu link estará em um de meus blogs pra naum te perder de vista!

super beijo e linda semana :)

Luar disse...

Leninha

Excelente escolha.
Sem dúvida existem ferramentas para se treinar sentimentos.
Demora, mas não é impossível!

Beijos

disse...

Se podemos controlar as emoções, que pelo menos nesse início de primavera a vida possa ser florida!

Vilmar Barros de Oliveira disse...

Oi Leninha,
Não é fácil se segurar em momentos assim, mas precisamos enxergar o depois antes de dizer bobagens que raramente tem resultado positivo.
Boa semana pra vc minha linda!
Beijo com carinho.

Meire disse...

Linda Lenita Amadeirada, equilíbrio é aquela pitada de paz que todos temos dentro de nós, é preciso ter vontade e disposição pra encontrá-la. Não cai do céu em nossas mãos num estalar de dedos, só vai ao encontro de quem a procura. Meditação é um exercício que deve ser feito diariamente, pois quando deixamos de lado essa prática que ao meu ver é essencial, podemos prejudicar quem está próximo a nós ou quem passa por nós.
Sabe sweet amiga, o ato de meditar requer um olhar crítico e ao mesmo tempo compreensivo para nosso interior. Crítico para ver exatamente o que estamos fazendo de errado, o porque e o que podemos fazer para melhorar. E compreensivo para aceitar que tbm erramos, nos perdoar e termos sempre fé em nós mesmos. Vamos procurando deixar dentro de nós só as coisas boas e leves o resto a gente joga fora!
Tem uma frase do Lao-Tsé que diz: "Na condução das questões humanas não existe lei melhor do que o autocontrole."
Adorei o texto pra refletir e praticar que é o mais importante.
Madeirinha cintilante, muito obrigada pela sua amizade sincera, te amo desse tamanho ó! :)
bjokitas cristalizadas com afeto!

Imac by Artes disse...

Lena querida!
Como sempre nos trazendo ótimos textos...Essas leituras são muito importantes e nos leva a refletir.
Precisamos realmente aprender a permanecer em contato com a dimensão construtiva do mundo.
Abraços! Uma feliz e abençoada noite pra ti.

Leninha disse...

Minha querida xará,mais uma postagem excelente,fazendo-nos refletir sobre
a violência que impera nos dias de hoje,os sentimentos incontroláveis de alguns e a possibilidade de se conviver com nossas raivas controlando os impulsos que nos levam a agir impensadamente.
Belo texto,amiga.
Bjsssssssss e muito carinho,
Leninha

ANA ROOS disse...

Faz um tempo aprendi que a gente tem total controle dos nossos impulsos, pensamentos, e até mesmo emoções... Mas é claro que isso tudo precisa de prática, técnicas, com certeza meditação é a melhor, mas nem por isso fácil, mas ao meu ver o que nos difere dos animais não é justamente nossa capacidade de pensar? Então como seres pensantes temos a obrigação de nos controlarmos, exigir de nós mesmos mais compreensão, mais paciência, mais amor...
Desejo-lhe bons pensamentos, sentimentos e muita paz no seu coração lindo!

Beijinhos carinhosos

Sandra Botelho disse...

Sempre devemos controlar as emoções, mas as vezes elas falam por nós...Perdemos o controle. dai só nos resta nos perdoar.Bjos achocolatados

Rô... disse...

oi minha querida,

que saudades,
controlar as emoções é um exercício diário,
que requer muita persistência
e paciência...

muitos beijinhos
e eu sempre aprendendo por aqui!

Vera Lúcia disse...

Olá Lena,
De fato, não é fácil adquirir este
auto-domínio, mas ele faz uma grande diferença. Há técnicas e instrumentos para se chegar até ele, conforme sugere o texto.
Educar os atos amorosamente é um sábio conselho.
O auto-controle evitaria muitos males e ajudaria, sem dúvida, a formar uma sociedade mais fraterna e tolerante.
Beijos.

Elisa T. Campos disse...

Lena
Meditação e yoga, exercícios para o nosso auto-domínio.Providencial as questões levantadas.

Você já faz parte desta corrente onde
todos viajamos no maravilhoso mundo da arte. Obrigada por compartilhar

Parabéns pelos 700 seguidores ,você
fez por merecer.

Beijos

Toninhobira disse...

Engraçado, que venho do blog da Vera que fala de sentimentos com inveja e outros males da mente humana.Pois bem, aqui a busca do equilibrio,controle das emoções, no que sabemos ser um exercicio continuo e talvez tecnicas para que a explosão não seja um mal irreparavel.Vivemos sob um estado emocional tenso e por isso o estopim fica cada vez mais curto facilitando a explosão deste barril de polvora.É preciso um desarmamento de espirito mesmo Lena, para que possamos crer neste mundo melhor e mais leve.
Um terno e carinhoso abraço de paz.
Bju.
Depois volto para conversar com este nobre senhor convidado de Setembro.

Ma Ferreira disse...

Leninha..

Somos bombas ambulantes...
Auto controle sempre.. ainda bem que faço meditação.
Ah..o respirar profundo e pausado..
ajuda nessas horas de descontrole!!
Te amo""

Ingrid disse...

lena querida,
o corpo é o veículo que nos leva nessa vida..
texto bem escolhido..
beijos linda e um belo Domingo.