23 de fevereiro de 2011

Simplesmente




Não te amo como se fosse rosa de sal, topázio
Ou flecha de cravos que propagam fogo;
Te amo como se amam certas coisas obscuras,
Secretamente, entre a sombra e a alma.

Te amo como a planta que não floresce e
Leva dentro de si, oculta, a luz daquelas flores.
E graças a teu amor, vive oculto em meu corpo
O delicado aroma que ascende da terra.
Te amo sem saber como, nem quando, nem onde.

Te amo simplesmente, sem complicações, nem orgulho;
Assim te amo porque não sei amar de outra maneira,
Senão assim, deste modo, em que não sou nem és.
Tão perto que tua mão sobre meu peito é minha,
Tão perto que se fecham teus olhos com
Meus sonhos...


Pablo Neruda


4 comentários:

Van disse...

Lena querida,

me fez tão feliz os comentários que me deixaste no blog, tão carinhosos, obrigada!

Pablo Neruda é perfeito

Você tem extemo bom gosto para os textos, as imagens.
Seu blog é suave e delicioso de ler, continue assim, parabéns!

Beijos!

Van disse...

Ah Lena!

amei o poema de Mário Quintana com que você me presenteou

Muito obrigada!

soniaconsult disse...

"...pq não sei amar de outra maneira."
Mas existe maneira pra se amar?
Ama-se e era isso!
Ama-se vendo no outro a própria imagem.
Lindo poema, amiga
Sonhe com os anjos

Kiro Menezes disse...

"Te amo sem saber como, nem quando, nem onde"

Perfeito Lena!!! Que lindo!!!

Obrigada pelo presente ♥

Já que sou tua fã, sinto-me presenteada!!! ^_^•

Beijinhos ♥