22 de fevereiro de 2011

Traição tem perdão?

 



Por que somente algumas pessoas conseguem a proeza de viver bem? Se você conversar com essas pessoas, vai entender que elas se dão ao direito de pensar diferentemente da maioria. Permitem se comportar de uma forma única, autêntica, sempre traçando um caminho de vida sem tanto desgaste e stress.

O lugar comum é falar de traição, fidelidade e infidelidade segundo uma ótica preconceituosa, sem questionar o contexto dos fatos. Mas, diante das últimas pesquisas sobre o assunto, chegamos à conclusão de que o discurso moralista é hipócrita: as pessoas dizem uma coisa e fazem outra. Uma pesquisa feita nos EUA e no Brasil aponta que 70% dos casais vivenciaram ao menos um caso extraconjugal e 90% não se separam. 35% dos traídos terminam a relação, o que significa que mais da metade procura manter o casamento mesmo assim.

Uma das coisas que mais fazem você perder a cabeça num relacionamento é o sentimento de ciúmes e traição. O comum é entrar na briga. Afinal, você também pode pular a cerca, se vingar, fazer planos mirabolantes para descontar aquilo que lhe foi feito. Pode ir ao advogado e preparar o divórcio. Mas, enquanto fica se remoendo com tudo isso, o seu corpo produz uma quantidade enorme de substâncias que lhe fazem muito mal. Cuidado!

É preciso que sejamos mais sábios. Não estou dizendo que você tem de ser bonzinho e aceitar que lhe façam de gato e sapato. Tal atitude também o prejudicaria. Quando nos sentimos injustiçados e contrariados com essa situação, é preciso fazer algo a respeito.

É preciso ter claro o que é mais importante e o que é menos importante em nossos relacionamentos. Se a sua meta é viver tranquilo, ter uma boa companhia e amar, então toda a sua atenção deve ser focada nisso. Qualquer outra coisa ou fato que ocorra é menos importante.

Trate, portanto, de falar ao(à) seu(sua) companheiro(a) quais são os seus reais sentimentos e que você não se sente confortável com tanta confusão. Tente resolver o problema com uma comunicação clara e transparente para não deixar nenhuma dúvida. E depois, meu amigo, vá para a sua vida, vá para o que é realmente relevante.

Deixe o seu parceiro ser ele mesmo. Só vale ele estar com você de livre e espontânea vontade. Neste sentido a monogamia é muito mais um acordo que se chega a partir de muita consciência e diálogo do que um dogma.

Daí é possível perdoar. O perdão precisa ser compreendido com essa amplitude. É uma estratégia para vivermos melhor. Todo mundo erra, ninguém é perfeito. Você também não só tem as suas imperfeições como, eventualmente, pisa no pé dos outros. Mas, enquanto fica alimentando a raiva, o ressentimento e o ódio, você fica mal e deixa de saborear o melhor da vida.

Tente perdoar. Não que seja fácil fazer isso, mas vale a pena. Você tem mais o que fazer!


Sergio Savian

4 comentários:

Kiro Menezes disse...

Adorei! Eu sou bem assim... Quaaando eu encontrar o cara que vai me enxergar ao invés de me "fantasiar", ele será feliz ao meu lado!!!

^-^'

Bjinhoss ♥

manuel marques disse...

Aquele que não consegue perdoar aos outros, destrói a ponte por onde irá passar.

Beijo.

Sonhos De Deus disse...

Oiii,boa tarde meu amigo,que lindo ,amei,queria te deixar uma palavra também...Hoje, entendo que anjos nada mais são que pessoas e que Deus colocou em nosso caminho para servir de luz e guiar nossos passos pela estrada da vida.
Resumindo: anjos na minha visão são amigos especiais.brigadooo vc e teu blog são especiais,uma semana com muita luz!!!

soniaconsult disse...

Oi Lena!!!
Acreditas se eu disser que abri o teu blog 4x e não consegui ler o post...me chamaram e me chamaram...ufa!
E Não li ainda, gosto de ler com calma.
Mas não poderia deixar de te dar um oiiiiii!!!
uma boa tarde amiga!