25 de março de 2011

Compaixão



Há situações-limite na vida em que precisamos e, muitas vezes, só podemos contar com a compaixão alheia. E é nestes momentos que nos damos conta do valor deste sentimento tão profundo e poderoso que pode operar verdadeiros milagres.

O drama vivido pelas vítimas das enchentes ocorridas no Rio de Janeiro, revelou uma verdade que deveria ser óbvia, mas da qual nem sempre nos damos conta: o quanto somos vulneráveis e dependentes uns dos outros.

Quando tudo corre bem em nossa vida, esta realidade se mantém esquecida, mas as tragédias se encarregam de trazê-la de volta de maneira contundente.

E, nestas ocasiões, felizmente, se revela o melhor, o lado mais luminoso que todos possuímos, embora muitos ainda se mantenham inconscientes disso. Estas circunstâncias, embora tristes, são a maneira que a vida escolheu para não nos deixar esquecer de que somos todos um.

Como ninguém se encontra imune de passar por algo semelhante, é útil que nos lembremos de não permitir que o ego nos faça sentir humilhados ou diminuídos por precisar da compaixão alheia, mas sim preenchidos pelo sentimento de gratidão. E que o ego igualmente não faça sentir superiores por ajudar aos que necessitam.

E é importante também nos lembrarmos que, todos os dias e nas situações mais cotidianas, podemos exercer nossa compaixão, se estivermos com nosso coração tão preenchido de amor, que compartilhá-lo se torna para nós, não apenas necessário, mas uma bênção.

Piedade e compaixão parecem ser sinônimos no dicionário e, geralmente, usamos as duas palavras com o mesmo sentido. Isso cria uma grande confusão. A piedade é circunstancial e a compaixão é resultado de um estado psicológico. Compaixão quer dizer aquilo que vem de dentro do coração da pessoa, e nada tem a ver com circunstâncias externas. A compaixão emana do coração da pessoa, mesmo que esta pessoa esteja sozinha, a compaixão emana sem motivo. É como uma flor se abrindo sozinha; vai espalhando sua fragrância. Não tem nada a ver com o outro. A fragrância de uma flor é exalada, independente de ter alguém por perto ou não. O perfume da flor nasce da flor, faz parte da flor, não está relacionado com nada de fora.

A consciência interna é a fonte da compaixão, a compaixão surge dela como um perfume... A piedade nasce sob a pressão das circunstâncias. A compaixão nasce da evolução do coração. O que surge em você ao ver um mendigo na rua, não é compaixão, é piedade.

(...)
A piedade fortalece o ego, enquanto a compaixão o dissolve.
A piedade é uma maneira de inflar o ego. É um bom meio, usado por pessoas "boazinhas", mas apesar disso é usada pra inflar o ego.
(...)
Se uma sociedade com real compaixão for criada ela não tolerará esmolas, pois nela não existirão mendigos!!

OSHO


Elisabeth Cavalcante 

5 comentários:

The Well disse...

É nas crises q se forjam e se temperam as pessoas de fibra.

Ói eu aqui de novo, Lena! rs

Xêro!

soniaconslt disse...

Uma sociedade melhor surgiria se essa proposta florescesse nos corações
Leninha estou em festa
festeje comigo

Calu disse...

De fato,Lena,
a vida escolhe diferentes e à vezes, doídos motivos para lembrar-nos que "somos todos um".
Também compartilho deste mesmo sentimento, haja visto o nome lá do meu cantinho: Fractais_ são as partes infinetesimais de um todo_ uma flor, uma pedra, o mar, o coração...
Gostei da definição de compaixão. Ainda não havia me detido neste tema.Excelente escolha p/ uma grande reflexão. Obrigada.
Estou amando fazer parte deste teu "todo".
Obs: Só p/ registrar, eu tenho 4 candangos, rsrsrsrs...
Tenha um lindo fim de semana.
Bjkas,
Calu

R.B.Côvo disse...

O pior é que nem sempre temos alguém para nos apoiar ou ajudar. Abraço.

meus instantes e momentos disse...

ótimo blog.
Volto pra te conhecer melhor.
Um ótimo final de semana.
Maurizio