15 de março de 2011

Roubaram o meu pôr-do-sol




  
Isto foi uma tristeza, um choque, uma lástima; embora tenha sabido desde sempre que mais dia menos dia contemplar o pôr-do-sol da minha sacada de casa acabaria.

Mas foram tantos anos comungando, partilhando da grandeza e beleza infinda que existe num cair de tarde, sentada na rede, só escutando os silêncios cavernícolas da mente.

Parecia tão meu, caía tão bem naquela janela, ficava tão em paz por entre as nuvens que, dançando, desfilavam por um céu colorido pelos tons do entardecer.

Ledo engano, o pôr-do-sol é de todos, mas não pertence a ninguém, talvez por um tempo como ele que foi para mim um companheiro devotado e fiel a cada dia. Por isso, pensei que fosse meu.

Construíram, finalmente, um novo edifício do outro lado da rua, e foi ele quem roubou de mim o pôr-do-sol...
Tenho fotos e lembranças... assim como já tenho saudades da companhia iluminada e bela deste amável companheiro. Nem mesmo terminada a construção está, e já devasta minhas tardes, onde a calma e a sonoridade da alma em contemplação do belo mergulham céu adentro, mente adentro, o que reluz em vida e deleite fora.

Nada, no final, é nosso!

A beleza permanece, porém, em outras janelas, em outras sacadas. Embora a fila ande e vida continue a acontecer, uma tristeza de saudade boa fica em mim, como toda saudade boa deve ficar... a lembrança do belo e da comunhão com a alegria que só natureza traz e traduz. E que a nós vem e vai.

Foram inúmeros instantes entre o estar e não estar, que o pôr-de-sol por mais de duas décadas tentava me dizer: hoje estou amanhã talvez não mais!

Curti sem querer pensar no que ele significava além da beleza intensa, o sofrido e derradeiro fim. Fim do dia, fim de ciclo, fim - apenas fim por fim!

Cada vez que abro a janela, e vejo mais um andar ser construído do outro lado da rua, eu não tenho como não ficar arrasada! Penso que daqui para frente, perdi definitivamente o privilégio de ter uma rede cativa na sacada para contemplar o céu com pôr-do-sol mergulhando entre as macias e coloridas nuvens de algodão.

Só não deixei de usufruir e, claro, de agradecer, a cada entardecer o presente maravilhoso que literalmente recebia do céu, o mais puro deleite.

Que não me roubem a aurora, que a cada novo dia me chama para vida, e me faz despertar com a luz da manhã. Que vivaz rompe as enevoadas madrugadas de São Paulo.

   E que, por favor, não me roubem as luas brancas, amarelas ou vermelhas, que pairam solitárias, bem além das antenas e luzes de alertas dos altos edifícios, que dribla as mais espessas camadas de fumaça e névoa das incríveis noites paulistanas só para mostrar-se tão poderosa como a cidade e ainda mais brilhante e bela do que esta.

Que não me roubem mais nada! Nem mais um bem, que como o pôr-do-sol bem sei não me pertence, mas que me acalma a alma neste vai-e-vem dos dias que toda vida traça.



Cássia Marina Moreira


12 comentários:

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Lena
Obrigado pela visita ao meu blog e pelo comentário carinhoso. Quando puder volte, vou gostar muito.
Bjux

laurinhando por ai disse...

Lena

Texto lindo que fala o que o coração sente!!!
Como diz o texto, saudade boa é para ser lembrada e digo mais para ser saboreada!!!
bjos
Laurinha

Sam disse...

saudade é pôr do sol que deixa quentinho o peito, em dias de inverno.
É sopro de vento, brisa no rosto
é como machucado que arde e sopramos pra melhorar
a saudade é assim, um iluminar dormido no coração... mas não machuca não

só acorda vez em quando pra não ser esquecida.

Boas lembranças não são fatos. São coleções de doces.

Abraços, flores e estrelas...

Sobre o Tempo disse...

Que texto bonito! Vem o progresso, se vai o por do sol... típico aqui em São Paulo.
Ótima terça! Bjs!

soniaconslt disse...

Minha amada Lena,
Eu tbm me sentiria triste se me roubassem algo tão belo como o por do sol.
Esta dádiva de Deus é algo lindo para ser admirado e contemplado assim como muitas outras criações do Pai.
Um bom dia, doce amiga

E a Kiro, por onde anda?

Mafalda S. disse...

Absolutamente maravilhoso!...

R.B.Côvo disse...

O Pôr-do-Sol é mágico. Infeliz aquele que dele se vê privado. Abraço.

Kiro Menezes disse...

Muito bonito isso!!! ^_^•

Thalita Santos disse...

Que saibamos valorizar as coisas boas que a vida nos dá. Que valorizemos a natureza, que valorizemos os momentos.Nunca sabemos o que nos espera amanhã, a única certeza que temos é do fim ou da separação- que não deixa de ser um fim.A única certeza que nos move é esse fim trágico, doloroso, quase cruel que nos deixa nostálgicos a lembrar como era bom aquele pôr-do-sol, que nos mostra como é difícil se habituar a viver sem algo que esteve presente durante um longo e encantador período de tempo.
Lindo texto.

E mudando de assunto já ouvi falar em seu primo sim Lena, ele é diretor do IFET aqui de São João.

beijo!
Seu blog é encantador.

manuel marques disse...

"Cada dia é uma pequena vida, e cada pôr do Sol uma pequena morte."

Beijo meu.

Lilá(s) disse...

O texto é lindissímo! adoro o pôr-do-sol é aquele momento quase mágico, hoje consigo-o ver da minha varanda.
Beijinhos

Bel Rech disse...

Lindo texto...nada é nosso mesmo!Espero contemplar muitas montanhas por aqui por um bom tempo e que ninguém construa um prédio na minha frente e a beleza fique em outras sacadas...
Lindo finalzinho de domingo....e hoje estava lindo por aqui!
Paz e bem