12 de junho de 2011

O amor quando chega...



O amor quando chega nos invade, acolhe, aconchega, nos faz brilhar... apesar de tanto desejar e esperar por ele, nem sempre somos abençoados com nobre sentimento! Mas quando chega, verdadeiramente, nos sentimos assustados, não sabemos o que fazer. Se é que deve ser feito algo... só conseguimos saber que sentimos algo forte, muito forte! O que é isso? nos perguntamos, tão diferente do que já senti!... pensamos! Não é por ser diferente que é errado ou com menor valor, apenas é diferente daquilo que conhecemos, mas talvez por isso mesmo seja algo tão assustador. Mas ao mesmo tempo é bom, tranqüilo, parece que liberta; muito diferente daquele sentimento que damos o nome de amor, quando na verdade está muito mais para apego, posse, atração, desejo, prisão.

Só depois que ele – amor - chega é que reconhecemos a sutil diferença ao que sentíamos e um dia demos o nome de amor, e ao que é amor realmente. Para nomear um sentimento com esse nome, ele deve ser muito nobre, o que em nada combina com ciúmes, agressões, insegurança, infidelidade, controle, manipulação, brigas constantes, entre outros! Não, o amor não traz nada disso, ele traz exatamente o contrário: paz, segurança, tranqüilidade, harmonia, crescimento mútuo, confiança, cumplicidade, enfim, aquilo que sempre desejamos ter, mas enquanto não for amor de verdade, dificilmente conseguiremos conquistar, por mais que o desejemos.

Mas por qual motivo é tão difícil encontrar o amor verdadeiro? Tudo começa com a falta de amor por nós mesmos, que geralmente vem associada à baixa auto-estima. Ou seja, se não reconhecemos nossos reais valores, como podemos nos amar? E como saber de nosso valor enquanto pessoa se nem todos se dão ao trabalho de se conhecerem? Dificilmente, alguém ama quem não conhece, ou ainda, quem não se dá o devido valor.

Isso nos faz chegar à conclusão que sem nos conhecermos, e em conseqüência nos amarmos - pois o amor vem do conhecimento, admiração, que se tem por outra pessoa ou por si mesmo - não conseguiremos verdadeiramente amar alguém ou permitir que tal amor chegue até nós!

Sem nos conhecermos, não sabemos quais são as necessidades emocionais que temos, as quais não deixam de existir por não as reconhecermos. Elas muitas vezes são responsáveis por nossas expectativas frustradas, escolhas erradas, repetições de padrões que não mais desejamos viver, pois muitas vezes esperamos que nosso companheiro venha a suprir tudo aquilo que necessitamos desde crianças e que não fomos correspondidos. Com isso tendemos a idealizar o outro, vendo nele aquilo que gostaríamos que fosse e não quem ele é na realidade. E conforme ele vai se mostrando a nós, sentimos como se tivéssemos sido enganados. Mas será que fomos mesmo enganados ou sequer nos demos tempo para saber quem é essa pessoa que deixamos entrar em nossa vida, sem pedir licença, e colocamos nosso coração e nossa vida totalmente em suas mãos? Geralmente, vemos o outro como um ideal e não como real.

Resumindo: a falta de amor-próprio, a baixa auto-estima, as necessidades emocionais não reconhecidas, geralmente causadas pela falta de autoconhecimento, somada às idealizações, expectativas, carências, histórico de vida, podem comprometer nossos relacionamentos e dificultar o encontro com o verdadeiro amor. O que, no fundo da alma, é o que todos buscamos.

Portanto, devemos realizar toda essa caminhada de autoconhecimento para depois nos permitirmos nos envolver com outra pessoa, o que raramente as pessoas fazem. Elas querem alguém que não as façam se sentir sozinhas e, nessa busca, muitas vezes se encontram mais sozinhas do que antes. Por medo de ficar só envolvem-se com pessoas cujo relacionamento traz apenas sofrimento.

Mas como reconhecer se o que sinto é amor? você deve estar se perguntando... Para reconhecê-lo é preciso ter um mínimo de autoconhecimento, pois do contrário estará vulnerável a considerar toda pessoa que vier a conhecer e/ou se relacionar como uma possibilidade de vivenciar o amor, podendo assim facilmente confundir apego, posse, atração, com amor. Fará isso porque irá sobrepor suas carências, sem respeitar suas reais necessidades, que muitas vezes está muito distante de serem supridas por esse pessoa. Claro que devemos considerar que ninguém supre as carências de ninguém, mas sempre queremos uma pessoa que seja carinhosa, compreensiva, amiga, enfim, que tenha valores semelhantes aos nossos, mas ignoramos isso e nos envolvemos sem o menor conhecimento do outro, em conseqüência da falta de conhecimento de nós mesmos, assim nos tornamos dependentes emocionais. Sim, não podemos saber isso sem dar o mínimo de chance para conhecer o outro, mas quantas vezes não entramos num relacionamento sem sabermos muito bem sequer o que queremos?

Como encontrar alguém que lhe faça feliz se nem você mesmo o sabe? Como conhecer alguém se você mesmo não se conhece? Como não repetir padrões se nem sabe quais está repetindo? Sim, o autoconhecimento se torna importante até para iniciar um relacionamento, portanto, procure se conhecer mais, saber o que é importante para você no relacionamento afetivo, tenha referência de como seria o relacionamento ideal para você, ainda que ele não seja exatamente igual, ao menos saberá o quanto está perto ou distante do que deseja realmente para sua vida.



Rosimeire Zago 



 Paul McCartney - My Love

Powered by mp3skull.com



 

35 comentários:

* Verinha * disse...

Com certeza tudo tem de partir primeiramente de nós mesmos.. só podemos nutrir e dedicar um sentimento que esteja presente em nosso coração e enraizado em nosso ser!

Beijocas super em seu coração Lena!

Verinha

Sobre o Tempo disse...

Lena, belo texto. Realmente não se pode querer encontrar alguém para fazer nossa felicidade se não fazemos por onde. Uma ótima semana! Bjs

Alê disse...

Oi Lena,

Você, mais uma vez, fazendo a gente pensar...

Eu creio que todo grande amor, começa com um grande amor próprio, sempre.

Não há como se doar, se entregar, se permitir, se a gente não souber quem é, e o que pode oferecer,

O primeiro passo está em nós, e assim, quando acontecer, será pleno, não importa o tempo que dure. Importa a intensidade com a qual um sentimento tão bonito foi vivido.


Um domingo apaixonante pra VC,


Bjs

ValCruz disse...

Olá querida Lena! O amor é uma arte delicada.

Grande beijo e um feliz dia com amor no coração, hoje e sempre.

Catia Bosso disse...

E o amor acontece....
LenaLindona! Feliz dia 12 pra ti e para seu drrr House....

bjsssssss

Eva disse...

Oi amada, o texto é tão verdadeiro que só tenho que concordar com tudo e dizer parabéns pela escolha, um dia bem feliz e amoroso para vc. bjão!

orvalho do ceu disse...

Olá, querida Lena
O dia promete pelo visto com tantos textos belos espalhados pela blogosfera...
O amor está no ar!!!
Bjs festivos

ELIZABETH DE LIMA VENÂNCIO disse...

Não há, nunca houve, nem nunca haverá sentimento que inspire tanto quanto o amor. seu texto mostrou as muitas nuances do amor.
parabéns

um abraço.

beth

Marly Bastos in "palavreados ao vento" disse...

Lena,
Eua acredito que o autoconhecimento é a base para o sucesso em qualquer realização na nossa vida, seja espiritual, financeira, amorosa...
Sem sabermos o que gostamos, o que queremos, o que sentimos e como sentimos é impossível realizar bem nossa vida.Adorei o post.
Beijos querida e uma semana maravilhosa pra você.

Silvia disse...

Oi, Lena
ótimo texto para refletir sobre os sentimentos.
Uma boa semana pra ti.

Toninhobira disse...

Se não me encontro e entendo, deixo uma lacuna em meus quereres.Para amar é preciso se amar e aceitar.Belo texto Lena.Desejo que tenha tido um lindo dia de muita alegria e que esta possa irradiar pela semana.
Um abração terno.

Luar disse...

Lena

Este texto tem uma frase que me marcou profundamente.

Dependentes emocionais...é a diferença entra o amor e o Amor!
Adorei o texto, e esta conotação de diferença.
Obrigada pela partilha.

Bom semana com meu beijinho

Imac by Artes disse...

Tens razão! Para amar, precisamos nos auto conhecer, saber o que queremos, nos amar primeiro para depois viver um amor a dois.
Grande abraço e uma semana cheia de amor pra ti.

Meire disse...

Minha lindíssima estrelinha, que linda essa imagem, simplesmente me apaixonei por ela *-*

O amor só chega quando estamos prontos, mas temos que ter cuidado porque ele pode ser confundido com um montão de sentimentos como o o texto diz. A falta de amor próprio nos faz enxergar no outro qualidades que muitas vezes ele não tem, algumas dessas qualidades na verdade são nossas só que não conseguimos ver.
Euzinha tenho uma esperança infinita de encontrar um amor pra mim, sem ilusões, sem muitas fantasias, apenas o necessário. Quero ter alguém ao meu lado, mas ele ainda deve tá vagando por aí rsrs

Amei o lance do nome, seu Enzio é culto rsrs quase ninguém que eu falo da história do meu nome sabe que série é essa rsrs Eu já tive dificuldades com meu nominho, hj gosto muito dele, agora então ele se tornou mais especial ainda, por culpa de uma tal de Maria Helena, do you know her??? She's the sweetest star ever!!! ;)

Love you so much, much, much!!

૨ѳઽαทg૯ℓα ℓ૯ઽઽα . disse...

Lena,que texto belissimo ,e muito esclarecedor e verdadeiro.
Parabéns pelo blog ,ele é excelente !
Beijo carinhoso!!

MARILENE disse...

Mesmo quando não temos certezas sobre o que queremos, certamente sabemos o que não desejamos. O maior erro é camuflar os "defeitos" do parceiro, sublimando-o. Acabamos nos tornando responsáveis por nossas escolhas mal feitas.

Excelente texto, como sempre, querida.

Bjs.

Perfeita Ordem disse...

Lena minha querida,só passei prá te desejar uma semana linda e abençoada.
Beijinhos.
Claudia.

Débora Andrade disse...

Talvez eu não tenha encontrado alguém que me amasse não apenas com as palavras, mas que me oferecesse o amor propriamente dito, porque eu não me amava. Porque sempre fui mais o outro, sempre cuidei mais do outro do que de mim, sempre amei mais o outro do que a mim, se é que eu me amei. Todos os sacrifícios para mim ainda eram pequenos quando se tratava de fazê-los pela pessoa amada. Não percebia eu que ao me sacrificar, ao sacrificar a minha essência, a minha identidade, estava sacrificando todo o resto. Ninguém ama um indigente. Um ninguém. E eu havia me anulado. Eu havia me perdido de mim. Então, não posso reclamar por ter perdido todo o resto.
Mas é que eu achava que amá-lo bastava, porque ele me amaria por mim. Engano meu. Se a gente não se ama, não devemos esperar que os outros o façam por nós. Se sequer conseguimos fazê-lo, por nós mesmos, como exigir que os outros façam? No fim, percebi que eu queria que ele me amasse porque eu o amava. Depois, que ao menos me amasse por pena. Mas aí já não seria amor, seria a própria pena. Não dá pra segurar um relacionamento quando não se está apaixonado por si, quando você não valoriza a si mesmo. Sequer dá pra iniciar um relacionamento desse jeito. Mas eu, teimosa que sou. O fiz. E agora, as lembranças do que vivi me dilaceram de forma tamanha que ao escrever esse comentário, choro. Mas é bom, lavar a alma. A única coisa ruim é ler o que escrevo, averiguar se não há erros, diante dos meus embaçados olhos. Então, perdoe-me qualquer erro, rs.
Eu tenho medo, sabe Lena. Tenho medo de encontrar alguém e esquecer de mim de novo, não porque eu seja egoísta e queira viver só pra mim, não que se eu esquecesse de mim, eu fosse ficar arrasada por mim, mas porque eu sei que se eu esquecer de mim novamente, de novo me esquecerão. Tenho medo de amar de novo, porque não sei dizer adeus. Quando alguém se aproxima, eu dou um passo para trás. Me escondo, me fecho. Evito. Recebo mensagens, ligações, convites, recuso, não respondo, sou sem sal. Não sabem eles que o problema é comigo.
É certo que essas investidas são boas para nos levantar autoestima, mas quando tudo acaba, a autoestima se vai junto. Então, tenho tomado a postura de não me arriscar. Ainda não me amo o suficiente, ainda não lembro de mim o suficiente para ousar. Não me dou ao luxo de levar outra queda se ainda estou me recuperando da última.
Ouvi muito nos últimos meses: "Um remédio para um amor que te feriu, é um novo amor", talvez seja. Mas amiga, imagina se eu encontrar outro amor que me fira e vá curar com outro amor, que também me fere, sei lá, acontece. Nunca vou me recuperar, vou ser uma pessoa ferida que busca refúgio e nunca encontra. E na verdade, pra mim, isso nem é viver o amor.
Mas enfim, amei o teu texto. Lindo demais. Sempre aprendo e amadureço a cada postagem tua. Também achei ótimo ter te encontrado lá no face. Saiba que te admiro muuuito, e que você é uma linda, ô modelo!

Beijos mil, com muito carinho!
Débora.

Nel Santos disse...

Se conhecer é tarefa vital em todas as áreas da vida. No amor, então!...
Sem nos conhecermos, sem nos amarmos, nunca teremos o que oferecer ao outro. Afinal, não se pode dar o que não se tem.

Gostei muito do texto!

Bjs

Artes e escritas disse...

Lena, a partir do autoconhecimento é que conheceremos os outros. Um abraço, Yaya´.

Ma Ferreira disse...

Lena..minha fofa..confesso que não li sua postagem.
Qdo acordar será a primeira coisa que vou fazer!
Por hora..desejo a vc uma lind a semana!
bj
Ma

Mixha Zizek disse...

Lena:
Muito verdade o que você colocar em seu post. Primeiro você deve aprender a respeitar ea se amar e amar segundo. Eu me lembro de meu haha ex-companheiro. Foi apenas egoísta, mas com o tempo eu percebi quem ele era. E quando você começar e crescer o amor, beijos
uma grande lição deste post:)

✿ chica disse...

Que texto lindo esse e quando o amor está em nós, fica mais fácil dele chegar até nós...Uma linda semana!beijos,chica

SOL da Esteva disse...

Lena

Excelente análise da Maria Isabel Caipirinha, sobre quando o Amor chega.
Não há muito para Comentar a tão perfeito Ensaio.
Quando o Amor chega, se sabes quem e o que és, deixa-te conduzir. O Amor sabe como guiar-te.

Beijo

SOL da Esteva
http://acordarsonhando.blogspot.com/

mfc disse...

Aí está uma boa pergunta para a qual a resposta nem é fácil, nem é sequer satisfatória!
É um sentimento indefinido que nos leva às nuvens. É um sentir-se bem apenas com o pensamento no outro. É um bem estar supremo.

Poesias Partidas disse...

Ainda bem que ele acontece, né amiga Lena? Mesmo não querendo, ele nos invade e sem pedir licença já faz morada. Feliz dia dos namorados para você, desculpe o atraso, é que faltou energia por aqui. Rsrsrs.

Abraços

ॐ Shirley ॐ disse...

Sem comentários, Lena, esse texto é bem verdadeiro. Um beijo e ótima semana!

Ma Ferreira disse...

Olá minha querida amiga!

Tem se falado muito em amor nos ultimos dias. Talvez pela proximidade da data dos dias do namorado que já passou, o assunto venha a toda.
Eu acho que tem se dado um peso por demasiadamente grande ao amor romantico.
Não que ele não tenha este peso, é obvio que sim, mas existe um outro amor que tem um peso maior, que é o amor próprio.
Ter amor próprio é mais que se amar. É ter uma vida independente, é ter amigos, é trabalhar no que gosta, é estar de bem com sua familia e com Deus.
Se vc diversifica os "amores" que vc tem, quando algum deles por algum motivo faltar, vc não se sentirá tão só, porque terá sua atenção desviada a outros amores.
Mas estamos numa época, num ciclo muito mais profunfo do que o nosso mundo particular de "faltas",
Falta de muita coisa que se perdeu com o tempo.
E as pessoas andam com medo de se entregar. Ficam sempre com um pé atras num relaciomaneto com medo de se decepcionar acabam por não se entregar.
O auto conhecimento faz com nossa alma se aquiete.
A idéia fixa de ser ter um amor romantico, gera sofrimento, ansiedade....
Uma terapia, a espiritualidade ajuda a nossa alma se acalmar.
E se acammando ao amor vem..sem que presemos sair a procura, ou aceitando qualquer migalha como sendo amor.

Um beijo minha flor!
Uma semana iluminada!
Ma

Anne Lieri disse...

Lena,que excelente texto escolheu!Muito reflexivo e esclarecedor sobre o amor!Bjs e boa semana!

Anne Lieri disse...

Lena,que excelente texto escolheu!Muito reflexivo e esclarecedor sobre o amor!Bjs e boa semana!

Vera Lúcia Duarte disse...

Lena,
De fato somente vamos conseguir amar se nos amarmos primeiro.
O amor sempre chega de inopino e devemos estar preparados para recebê-lo e vivê-lo intensamente.
Mas para alcançarmos a felicidade no relacionamento devemos, sim, analisar nossas ambições para o relacionamento.
Sem maturidade e colocando nossas expectativas de felicidade nas mãos do outro não encontraremos a sonhada realização amorosa.
Beijo.

Sabrina Sebaje disse...

Vim agradecera a visita no achei isso e encontrei blogs recheados de inspiração. Parabéns.

Bom caso queira visitar o meu outro hhtp://euemcontagotas.blogspot.com, será bem vinda, mas falta e muito para chegar perto dos seus.

Bjks, Bina

soniaconsult disse...

Oi Leninha
ontem fui visitar a mamãe e então nem entrei na net.
Espero chegar hoje em casa e entrar um pouquinho
bjs

rouxinol de Bernardim disse...

Parabéns por este texto tao bem plasmado com uma interrogação intemporal...

C. disse...

É de emocionar esse texto! Que homenagem mais linda essa no 12 de junho, e com essa música, uau!

Repetir padrões sao os erros mais comuns, nao existe comparação de um amor pro outro, e cada um tem sua importância, nao penso exista o que dizem, de um único amor pra sempre. Ainn compotinha, será tô muito errada?

Olha, você detona com esses textos, e agora com as músicas junto, ficou mais-que-perfeito! Teu bloguito ficou uma emocao uníssona!!!

Amiga, nao respondo aqui seus coments do Cris Style, porque respondo lá, falouuuuu?