11 de junho de 2011

Procure me amar quando eu menos merecer, porque é quando eu mais preciso




Falamos à beça de amor. Apesar das nossas singularidades, temos pelo menos esse desejo em comum: queremos amar e ser amados. Amados, de preferência, com o requinte da incondicionalidade. Na celebração das nossas conquistas e na constatação dos nossos fracassos. No apogeu do nosso vigor e no tempo do nosso abatimento. No momento da nossa alegria e no alvorecer da nossa dor. Na prática das nossas virtudes e no embaraço das nossas falhas. Mas não é preciso viver muito para percebermos nos nossos gestos e nos alheios que não é assim que costuma acontecer.

Temos facilidade para amar o outro nos seus tempos de harmonia. Quando realiza. Quando progride. Quando sua vida está organizada e seu coração está contente.

Quando não há inabilidade alguma na nossa relação. Quando ele não nos desconcerta. Quando não denuncia a nossa própria limitação. A nossa própria confusão. A nossa própria dor. Fácil amar o outro aparentemente pronto. Aparentemente inteiro. Aparentemente estável. Que quando sofre não faz ruído algum.

Fácil amar aqueles que parecem ter criado, ao longo da vida, um tipo de máscara que lhes permite ter a mesma cara quando o time ganha e quando o cachorro morre.

Fácil amar quem não demonstra experimentar aqueles sentimentos que parecem politicamente incorretos nos outros, embora costumem ser justificáveis em nós. Fácil amar quando somos ouvidos mais do que nos permitimos ouvir. Fácil amar aqueles que vivem noites terríveis, mas na manhã seguinte se apresentam sem olheiras, a maquiagem perfeita, a barba atualizada.

É fácil amar o outro na mesa de bar, quando o papo é leve, o riso é farto, e o chope é gelado. Nos cafés, após o cinema, quando se pode filosofar sobre o enredo e as personagens com fluência, um bom cappuccino e pão de queijo quentinho. Nos corredores dos shoppings, quando se divide os novos sonhos de consumo, imediato ou futuro. É fácil amar o outro nas férias de verão, no churrasco de domingo, nos encontros erotizados, nas festas agendadas no calendário do de vez em quando.

Difícil é amar quando o outro desaba. Quando não acredita em mais nada. E entende tudo errado. E paralisa. E se vitimiza. E perde o charme. O prazo. A identidade. E fala o tempo todo do seu drama com a mesma mágoa. Difícil amar quando o outro fica cada vez mais diferente do que habitualmente ele se mostra ou mais parecido com alguém que não aceitamos que ele esteja. Difícil é permanecer ao seu lado quando parece que todos já foram embora. Quando as cortinas se abrem e ele não vê mais ninguém na plateia. Quando até a própria alma parece haver se retirado.

Difícil é amar quando já não encontramos motivos que justifiquem o nosso amor, acostumados que estamos a achar que o amor precisa estar sempre acompanhado de explicação. Difícil amar quando parece existir somente apesar de. Quando a dor do outro é tão intensa que a gente não sabe o que fazer para ajudar. Quando a sombra se revela e a noite se apresenta muito longa. Quando o frio é tão medonho que nem os prazeres mais legítimos oferecem algum calor. Quando ele parece ter desistido principalmente dele próprio.

Difícil é amar quando o outro nos inquieta. Quando os seus medos denunciam os nossos e põem em risco o propósito que muitas vezes alimentamos de não demonstrar fragilidade. Quando a exibição das suas dores expõe, de alguma forma, também as nossas, as conhecidas e as anônimas. Quando o seu pedido de ajuda, verbalizado ou não, exige que a gente saia do nosso egoísmo, do nosso sossego, da nossa rigidez, para caminhar ao seu encontro.

Difícil é amar quando o outro repete o filme incontáveis vezes e a gente não aguenta mais a trilha sonora. Quando se enreda nos vícios da forma mais grosseira e caminha pela vida como uma estrela doída que ignora o próprio brilho. Quando se tranca na própria tristeza com o aparente conforto de quem passa um feriadão à beira-mar. Quando sua autoestima chega a um nível tão lastimável que, com sutileza ou não, afasta as pessoas que acreditam nele. Quando parece que nós também estamos incluídos nesse grupo.

Difícil é amar quem não está se amando. Mas esse talvez seja o tempo em que o outro mais precise se sentir amado. Para entender, basta abrirmos os olhos para dentro e lembrar das fases em que, por mais que quiséssemos, também não conseguíamos nos amar. A empatia pode ser uma grande aliada do amor.


Ana Jácomo
Elton John - Your Song

 

25 comentários:

soniaconsult disse...

Estou quase dormindo..to toda torta deitada na cama com o not no colo, a Lethy já e acordou 4x
Mas não posso ir-me sem te dizer um olá
Lá fora o max faz um barulho estranho,
não sei se é tosse, se é gripe, se é catarro, o pior é que estou sem grana para levá-lo ao veterinário
Este frio está acabando com o meu grandão
Ele é teimoso, não fica na casinha
deita no chão puro, fica na chuva
Coitadinho!
Amanhã eu volto pr ler teu post, ok?
Agora vou dormir
Uma boa noite amada

Mariza disse...

OLá Lena, Parabéns, vc sempre arrasando com os textos. Vale a pena vir sempre aqui
beijos

Débora Andrade disse...

Amiga Lena, esse texto que postou me trouxe uma série de lembranças... Eu dizia muito isso, sabia?! "Me ame quando eu estiver uma chata, gritando, chorando, brava. Não vá embora quando eu estiver reclamando, ou quando eu estiver chateada com você. Fique. Me ouça. Fale comigo. Peça desculpas. Me abrace por mais que eu diga para você me soltar. Me ame quando eu estiver um saco, porque para me amar quando estou um doce, já tento muitos. Todos."
De nada adiantava. Sabe quando você dá dicas, praticamente um manual, e a pessoa faz tudo ao contrário? Certo que o amor foge a regras, a instruções, mas o que há de errado em fazer o que o outro pediu (se isso não te fará mal)? Dizem que somos complicadas, mas eu não acho, acredito que os homens é que não querem entender o que está a frente dos narizes deles, rs. Veja o meu caso, como achei que ele não sabia o que fazer, eu disse: "Me ame em todo o tempo. Fique aqui.", mas apesar do que eu dizia, tudo ocorria de forma contrária. Talvez porque como ele disse, e como está no texto da Ana Jácomo: "É difícil.". Engraçado é que é difícil para o outro nos amar nas nossas crises, porque histéricas somos terríveis, mas na verdade, deveria ser especialmente neste momento em que deveriam estar nos cobrindo de amor, afinal, se estamos histéricas, algo fizeram! rs
Eu amei esse texto, viu Lena?! Você é uma linda mesmo. Amei as mudanças que fez no blog, nas letras, nas imagens, esse "volto já" e o recadinho embaixo. Tá tudo uma graça!

Se cuida, ein?!
Beijos, amo vc!
Débora.

Ma Ferreira disse...

Oi Lena. minha querida..
Saudades..
Vim te dar boa noite e o que vejo, esta postagem falando de amor.
É muito facil amar as qualidades. No inicio de qualquer relacionamento temos a tendencia de achar tudo lindo, fantasiar.. os mininos gestos nos encantam..
Com o passar do tempo, vamos querendo mais....
Aquela pessoa que idealizamos, que endeusamos, percebemos que é de carne e osso, com seus defeitos, suas manias e claro com suas virtudes.
Ai sim..vendo o real, a verdade de cada um, é que podemos dizer que o amor existe. Se ele sobreviver as não virtudes, ao ver o outro sem mascara e sem ilusão.
A aceitação do outro incondicionalmente, isso sim é o amor.
Bjkas ..
Ma ..aproveita seu fds!

Rô... disse...

oi Lena,

adoro a maneira como a Ana escreve,
fala do cotidiano de uma maneira simples e verdadeira,

o amor é fácil,
o amar é que é difícil...

beijinhos

Ingrid disse...

sem palavras Lena!
tantos deviam ler o que aqui tens..
beijos querida.. bom findi

C :-) disse...

Oi minha compotinha doce das mais doces, sabe que esse negócio de ligacao é incrível né, eu presumi que estivesse ocupada, porque nao te vi nas últimas horas. Se precisar, chame! Daqui a pouco volto a ler o post, tô meio enrolada aqui agora... beijokinhas.

Imac by Artes disse...

Meu Deus ! Estava precisando de ler algo assim hoje... A vida tem vários ciclos,mas para mim esse é o mais difícil estou procurando meu equilíbrio.
Grande abraço e um dia abençoado pra ti.

нєllєи Cαяoliиє disse...

"Difícil é amar quem não está se amando. Mas esse talvez seja o tempo em que o outro mais precise se sentir amado."
e amar nunca é demais né?
Peeeerfeito esse texto,adoro tudo o que a Ana escreve,me sensibiliza.
Lena,estava com saudades daqui,andei tendo uns problemas mas ja estou de volta.
Beijos

Miguel disse...


Bom dia!
"Mas os que esperam no senhor, renovarão as suas forças, subirão com asas como águias, correrão e não se cansarão, caminharão e não se fatigarão." (isaías 40:31)

Desejo que seu fim de semana seja de paz!


http://www.youtube.com/watch?v=Ir6rGNmjRiU

Deus seja contigo.


Blog Yehi Or!

http://www.hajalluz.blogspot.com

Aninha Zocchio disse...

Amar é aceitar as imperfeições do outro que combinam com as nossas imperfeições... O não amar nos torna vazios, inertes... Amar como o outro é na verdade é também aceitar como somos. Beijo Lena!!

manuel marques disse...

À força de falarmos de amor apaixonamo-nos...

Beijo meu.

mfc disse...

É difícil amar... sim! Mas consegui-lo é chegar até às nuvens!

* Verinha * disse...

É Lena.. quando tudo está perfeito tudo se torna mais fácil.. mas é exatamente na "bagunça" que realmente conseguimos demonstrar o quanto amamos.. e o quanto esse sentimento, quando real e verdadeiro, pode nos amparar.. dar força.. e restaurar o coração.

Um beijo grande em seu coração..
Verinha

Vera Lúcia Duarte disse...

Lena,
Que texto lindo e verdadeiro.
O "difícil amar" foi retratado com profundeza.
Nos momentos em que mais precisamos ser amados e compreendidos é que o amor se farta.
Justamente nesses momentos é que precisamos de afagos, carinhos e compreensão.
Apenas com respaldo no amor do ser amado é que seremos capazes de nos reerguer e voltar a compartilhar os momentos de prazer e de alegria.
Desejo-lhe um fim de semana fulgurante de amor.
Beijos.

Su disse...

Lena, muito bom seu texto... a mensagem principal é tão verdadeira, acho que amar de verdade é isso, saber entender o outro quando ele não está nos melhores momentos, amar só na alegria na festa, é fácil... não dói...
Muito bom mesmo. Beijos moça! Su.

ArcadoAutoConhecimento disse...

Lena, querida amiga. Amar é exatamente isso. Amar os defeitos, as chatices, as manias, os períodos de baixo astral e depressão... Amar quando tudo é belo, feliz, saudável, perfeito... que mérito há? Beijos.

Meire disse...

Oi preciosa estrelinha, me amar quando estou bem é fácil. Mas amar incondicionalmente é amar em todos os momentos. Mesmo quando não estou bem, quando estou soltando faíscas. Amor incondicional é amar de graça, não importa o que aconteça estamos ali amparando, cuidando da pessoa em todos as ocasiões. Mesmo quando ela se perde de si mesma, se há amor, continuamos a seu lado para lembrar o quão maravilhosa ela é!
Amor é um sentimento divino, quando eu digo "eu te amo" lê-se "eu te amo incondicionalmente" a palavra está implícita ali. Pois amar alguém, é amar do jeito que a pessoa é, com seus defeitos, qualidades (o pacote completo). Para mim se não é incondicional não é amor!!! E digo a vc minha amiga, se algum dia vc se perder de ti, me grita porque vou correndo te lembrar o quão adocicada é tua alma, o quanto de luz vc tem guardado no coração e o quanto vc traz brilho a esse mundo maluco em que vivemos!!!
Little star tá ocupada? Já to com saudade, a gente acaba ficando muito mal acostumada nesse blog rsrs Mas se vc está ótima o resto é resto :) espero que consiga colocar suas coisitas em dia! Vc irradia tanta, mas TANTA luz que se ficar um mês sem aparecer no blog (o que iria me matar de saudade, claro), sua luz e seu perfume irradiaram ainda e muito em meu coração.
Aff! to mais sentimental do que o normal hj rsrs
Te amo INCONDICIONALMENTE estrelinha, bjokitas e meu eterno carinho.

silvioafonso disse...

.


Gostei do arranjo, dos
acordes e da poesia...

silvioafonso






.

Mara Melinni disse...

Ah... como eu gosto de ler sobre a raiz da vida; Ele, sempre ele, o amor. Melhor ainda quando existe incondicionalmente!
Lindo texto, amiga Lena!!!
Como tudo aqui no Amadeirado!

Mais beijos!!

E uma boa noite!!

Liberdade. disse...

olá Lena!

Sim!amar não é tão fácil
como parece...
É um exercício diário,é não perder o senso de justiça,é abri mão de nosso ego,reconhecer os defeitos e tentar corrigir é mostra os defeitos alheio
sem acreções...enfim é um exercício diário de muita coisa!
adoro ler seus post!
um abração!

Nayara Borato disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog Ives. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

http://narroterapia.blogspot.com/

Marly Bastos in "palavreados ao vento" disse...

Esse é o verdadeiro amor que vence o tempo. O amor ágape, sem interesses, sem censuras. Não é fácil amar assim, mas também não é impossível. Jesus deu um mandamento mais pesado que é amar os nosso inimigos...E disse que no amor aos entes queridos e amigos não estamos fazendo nada demais.
Beijos querida Lena, e que tenhas amor sem medidas na tua vida.

Maria Emilia Xavier disse...

Difícil mesmo...Eu diria até que a vida muitas vezes nos é tão corrida que o que às vezes você poderia impedir ou pelo menos não deixar chegar tão fundo, passa batido. Sua postagem cheia de motivos para reflexão só veio nos acrescentar. Gostei, gostei muito.
Feliz Domingo.

C. disse...

Linda essa expressao que ela usa, já que é tao fácil ser amado quando estamos bem empregados, com dindim no bolso, magrinha, jovem... às vezes chego até a duvidar que alguém ama assim, amiga.
Essa música é linda!
Ai ai, o spa agora tem música também, que delícia.... você chora também quando ouve essas músicas lindas? Eu me derreto toda, compotinha, nossa. Olha, tenho uma pra te dizer, acho você é psicóloga, e a tua alma florida enfeita meus defeitos. Du bist sehr besondere!

Amiga, fiquei pensando naquele coment seu de nós 3 viajarmos, já pensou, que delícia?

Tu viu o vídeo que a compotinha caramelizada fez pra nós duas hoje? Me derreti inteirinha, aquela linda sabe emocionar a gente, eu nunca tinha recebido uma homenagem assim, fiquei toda me achando.