17 de agosto de 2011

Prazer em resolver problemas




É um prazer resolver problemas quando os encaramos como um estímulo para a autorrealização. Afinal, a alegria diante de uma realização interior é genuína. É como o sorriso de uma criança quando está aprendendo a andar. Quando sua mente está livre de expectativas exageradas e do medo de errar, ela pode gozar da satisfação do autodomínio.

No entanto, na medida em que crescemos, esta satisfação gerada pelo autodomínio será inibida devido aos inúmeros nãos que passamos a escutar, sem mesmo entender por que.

Gradativamente, a sensação de inadequação, culpa, vergonha e frustração irá se instalar em nossos padrões mentais. Neste sentido, aprendemos que não podemos controlar os móbiles como gostaríamos, mas, sim, que serão eles que irão nos controlar!

Seguir ordens é um processo penoso, pois, na maioria das vezes, representa negar nossas necessidades pessoais. Abrir mão do desejo natural de explorar o desconhecido e saber aguardar o momento justo para agir é um desafio constante que teremos que adquirir ao longo de toda nossa vida.

Quando as crianças observam os adultos tendo prazer em resolver problemas, aprendem e experimentam o mesmo prazer ao tentar resolver seus próprios problemas. Se tivermos crescido num ambiente seguro e que, ao mesmo tempo, nos encorajou para seguirmos adiante com nossas iniciativas e riscos pessoais, quando adultos seremos autônomos e, ao mesmo tempo, respeitaremos nossas necessidades naturais de dependência e proteção. Mas, se tivermos sido constantemente desencorajados a explorar o mundo à nossa volta, vamos crescer crendo que somos incapazes e que agir não leva a nada. A dor de ter nossas emoções e necessidades ignoradas ou distorcidas gera uma sensação profunda de inadequação.

Aos cinco anos de idade, já desenvolvemos uma noção clara do que podemos ou não fazer. Deixamos de agir erroneamente mesmo quando estamos a sós. Se nossos pais foram extremamente controladores, teremos facilmente a sensação de culpa e vergonha quando agirmos por conta própria, à revelia de seus comandos.

Quando crescemos, este sentimento já estará tão arraigado em nós que nem sabemos mais porque o sentimos. A questão é que quando ele se torna demasiado, perdemos tanto o desejo como o prazer de exercitar a nossa própria vontade!

Para superar esse bloqueio criativo, temos que cultivar uma nova postura interior, na qual nos vemos como criadores de nosso próprio curso de vida. Desta forma, será prazeroso nos estimularmos a assumir tanto os riscos como as suas consequências.

Para recuperar a alegria de conquistar uma nova habilidade, temos que nos conscientizar, repetidas vezes, de que não somos mais reféns do controle externo como fomos um dia.

Quando nos sintonizamos com a autorresponsabilidade e o autodomínio, somos capazes de aprender a ver os problemas não como problemas, mas como oportunidades de crescimento interior.

Lama Zopa, em seu livro Transformando problemas em felicidade, nos esclarece que precisamos ter constantemente duas atitudes internas: 1. cultivar uma mente que não tem aversão aos problemas e 2. gerar uma mente que sente prazer em resolvê-los.
Ele nos aconselha a substituirmos a palavra problemas por pequenas dificuldades. Na realidade, gostamos de arranjar pequenos problemas para resolver! Pois a sensação de controlá-los mantém nosso cérebro saudável e equilibrado. Enquanto uma área do cérebro registra a chance de erro e aciona outra área que nos deixa acordados e atentos, outra área analisa a situação e traça estratégias que, por sua vez, ativa o sistema de recompensa, deixando-nos motivados e animados com o desafio.

Na medida em que resgatamos o prazer de solucionar problemas, recuperamos o prazer de viver. Afinal, problemas existem e sempre existirão!



Bel Cesar 

Carpenters - Only Yesterday



21 comentários:

Paulo Francisco disse...

O bacana é não ter medo de resolvê-los ou assumi-los.
Um beijo grande

Bemsei disse...

É verdade tudo isso mas como dar essa reviravolta e libertarmo-nos das "amarras" a que já nos habituaram?Dificuldades em vez de problemas? pode dar algum resultado, sim. É outra perspectiva de enfrentar as contrariedades!
BJ

An@ disse...

Um texto muito util Lena.

Gostei do seu blog
Estou por aqui todos os dias.

Beijos
Um dia feliz

Célia Gil, narciso silvestre disse...

E é tão bom sentir a realização quando resolvemos qualquer problema! Bjs

Rô... disse...

oi minha querida,

quando estamos diante do problema,
temos a sensação que ele é muito complicado e de difícil solução,
mas não podemos desistir,
resolvê-los nos impulsiona,
nos devolve a vontade de seguir em frente,
e nos faz crescer com as experiências...

beijinhos

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Lena
Problemas existem para serem resolvidos. É claro que não é tão simples assim ,pois vai depender de nossa estrutura psicológica, formada na infância, mas sempre vale a pena enfrentá-los.
Bjux

* Verinha * disse...

Fantástico esse texto Lena.. de fato devemos ver os problemas como uma fonte para crescermos e nos superarmos.

Beijoquinhas super em seu coração..
Verinha

Orvalho do Céu disse...

O, querida
Hoje eu to lá no topo da roda gigante...
No auge da felicidade...
Deus recupera pra nós a alegria de viver... Ele insiste em nos cuidar com cuidados matriciais... nos dando os amigos queridos do coração...
O mesmo lhe desejo...
Paz e Bem!!!

Imac by Artes disse...

Minha querida!
Amei ler esse texto.
Eu acho que na vida não temos problemas; temos sim. situações difíceis que nos levam a encontrar soluções.
Abraços! Uma tarde cheia de bençãos.

Patrícia Pinna disse...

Lena, boa tarde.Você nos trouxe um texto extremamente esclarecedor, pois muitas vezes esquecemos de que precisamos resolver problemas sim, e os deixamos num canto qualquer fingindo que eles não existem,quando damos por nós,a situação está duplamente crítica!
Um beijo no coração, e fique com Deus!
Excelente semana!

Will disse...

Lena,
os problemas são novelos de lã que a vida põe em nossa mão não somente para desembaraçarmos, mas para tecermos redes de carinho e amizade. Você é uma tecelã de primeiro.
Ótimo final de quarta-feira para você!

MARILENE disse...

Já tive fases em que convivia melhor com os "desafios". Hoje, preferiria não ter que enfrentá-los (rss). Desejo tudo já certinho, dentro do planejado. Acredito que seja normal essa reação, com o passar do tempo. Não estou afirmando que não os enfrento, mas que, às vezes, me irritam. E não posso negar (heheheh).

Bjs.

Bjs.

Valéria disse...

OIIIII
Tem selinho pra vc no meu blog,

bjus

Doce Menina

Leninha disse...

Querida Lena(xará),resolver problemas tira um peso de nossos ombros...principalmente,se forem problemas alheios...
Bjsssssss,Leninha

Vera Lúcia disse...

Lena querida,
Li o comentário da Marilene e acho que tem a ver com a irmandade ou convivência, mas a verdade é que atualmente estou com aversão a problemas ou dificuldades.
Estou com tanta birra deles, que mal pinta um já corro para solucioná-lo para me livrar logo antes que ele se acumule com outro.
Loucura, não? (rsrsrs)
Mas a ideia do texto é ótima.
Trabalhar com a mente para ter prazer em solucionar os problemas
é tudo que eu desejo no momento.
Beijos.

Perfeita Ordem disse...

Lógico que aceito o selinho minha amiga!
É muito lindinho e diferente de tudo que já vi.
Obrigada pelo carinho de sempre!
Mais tarde volto com calma,se o cansaço não me vencer.
Beijos,fique com Deus!

Severa Cabral(escritora) disse...

Boa noite meu docinho de côco!
Qualquer dia desses quando abrir minha página e for te ler vou cair dura...seus comentáriosme deixa muito emocionada por uma única razão,existem pessoas que estão proximos de mim,do meu lado ,onde tenho possibilidades de receber carinho natural,mem me olham.Vejo vc tão distante por trás de uma telinha,me dedica as mais lindas palavras de amor,carinho,dedicação,afetos,fortalecimento e tudo que me faz acreditar que só vem de amigos verdadeiros.
A necessidade de resolver problemas surge a cada momento da vida. Consistindo a resolução de problemas num processo de aplicação de conhecimentos adquiridos previamente a situações novas e não familiares, ela requer determinadas competências, entre as quais: identificação de pormenores importantes, flexibilidade de pensamento, perseverança, avaliação da razoabilidade da resposta.
Bjs minha linda!

Marly Bastos disse...

Pois é, na verdade problemas são pequenas dificuldades que nos é imposta como a provar nossa capacidade de pular obstáculos e ir em frente.
Cada uma dessas dificuldades transportas nos dá a idéia de engrandecimento, de dever cumprido e de crescimento cognitivo e intelectual.
Lena, esse texto é dez e você é mil!
Te amo flor linda.

Tatiana Kielberman disse...

Tenho andado ausente, eu sei... mas sempre me inspira e muito passar por aqui!!!

Aprendo demais!

Beijos, querida!

Meire disse...

Madeirinha com o mais puro brilho, o lance dos problemas é enfrentá-lo de frente, sem medo, com fé e esperança que ele será solucionado, pois de nada adianta carregar nas costas uma mochila cheia de problemas guardados pra depois, atraso de vida e só traz mais e mais problemas. Então quando aparecer algum vamos vestir a melhor roupa do guarda-roupas, nos armar e fogo nele!

Linda, mais um texto para nos fazer refletir sobre a vida e o que temos feito diante dela. Esse Amadeirado é um cantinho que nos faz crescer e querermos sempre melhorar, desde que cheguei aqui senti um toque maternal dele, porque a dona dele cuida com tanto afeto dele e o deixa assim aconchegante. O Amadeirado tem a sua essência de estrela que nos acalma, nos embala em seus braços e nos afaga a alma!

My sweet mom, eu sou apaixonada pela voz da Karen Carpenter :) e claro, amo essa music!!!!!!
E claro que entendi seu comment, nós falamos a mesma língua amiga!!! rsrs

>--------------------*#*--------------------< (Te amo desse tantão e mais outro tantão que está guardado no meu core)
bjokitas com master carinho na sua bochecha estelar! :)

Ingrid disse...

é verdade Lena amada..
eu até nem posso reclamar..
beijos mil..