22 de março de 2012

O analfabetismo emocional





Até mais ou menos o ano de 2006, eu era um analfabeto emocional. Diferente do analfabetismo comum onde a pessoa tem consciência de que não sabe escrever, o analfabeto emocional não tem a percepção da sua falta de conhecimento.

O que é então ser um analfabeto emocional? É desconhecer coisas básicas sobre o que são as emoções, como elas funcionam, como influenciam a nossa vida em todas as áreas. O que aprendemos durante a nossa formação escolar diz respeito de forma geral ao intelecto. Aprendemos e desenvolvemos o raciocínio lógico, a memória, a capacidade de aprender conceitos sobre coisas do mundo. O analfabeto emocional investe apenas no aumento da sua capacidade intelectual pois pensa que isso é o mais importante.

Esse aprendizado é útil, entretanto, fica faltando algo vital, que entendo como mais importante e que irá influenciar nossa vida de uma forma mais profunda. Formamos seres humanos dotados de uma grande capacidade intelectual mas que não conseguem criar uma vida feliz, em paz, próspera e saudável. 

Tive uma boa educação e sempre fui considerado uma pessoa inteligente. Entretanto, minha vida profissional se tornou um caos, e a ansiedade me consumia. Se eu era tão inteligente isso não era para acontecer. A maioria pensa que a única coisa que podemos fazer para ajudar um ser humano a ser feliz e bem sucedido na vida é dar uma boa educação formal e uma boa educação caseira. A educação que temos em casa é fortemente contaminada pela negatividade dos nossos pais, que eles acabam nos passando de forma inconsciente.

São essas as ferramentas que damos às crianças até que completem sua formação. A partir daí, temos a ilusão de que a pessoa tem toda a base que interessa e assim ela terá condições seguir na vida de forma satisfatória. Se ela não consegue o resultado esperado não compreendemos a razão. 

Apesar de ter tido uma boa educação, eu desconhecia sobre os aspectos emocionais, e o quanto essa área em desequilíbrio sabotava a minha vida. Talvezeu tivesse uma leve noção sobre essa influência, mas eu pensava que ela era mínima. Eu achava que se eu estudasse mais e tomasse as atitudes que me parecessem mais lógicas, eu encontraria as soluções. Só que as minhas ações e escolhas eram totalmente influenciadas pelo estado emocional, inconscientemente, e eu não tinha a menor idéia disso. A escolha da profissão, dos relacionamentos e as atitudes tomadas no dia a dia eram mais reflexo do meu estado emocional interior do que da minha inteligência.

A forma como eu lidava com a vida, de uma forma sutil e inconsciente, levava a mais e mais resultados negativos. Eu não percebia os erros que eu cometia. Tudo o que eu sabia é que as coisas davam errado e mais sofrimento surgia. E as razões por trás de tudo isso? Eu nem sabia que haviam razões. Parecia acaso, má sorte, qualquer coisa, só não parecia que tinha uma explicação tão óbvia como eu consigo enxergar hoje.

Depois de muito sofrimento e de não entender o porque tudo dava tão errado, percebi que somente estudar e ser inteligente não era o suficiente. Despertou, então, o interesse pelo autoconhecimento. Comecei então um lento e gradual processo de alfabetização emocional. Aprendi muito com GaryCraig, criador da *EFT.

Durante esse aprendizado foi ficando cada vez mais claro pra mim o quanto as crenças que eu carregava, e os problemas de autoestima (muitos que eu nem sabia que tinha) estavam criando resultados negativos. Somente a inteligência intelectual jamais seria capaz de me levar a bons resultados. Pela primeira vez, eu comecei a entender profundamente que eu era o criador de tudo aquilo e que precisa curar muitas coisas dentro de mim para que a minha vida mudasse. E foi o que aconteceu. Passando por diversos processos terapêuticos, lendo livros, textos na internet, vídeos, meditação e outrascoisas, o interior foi mudando e o resultado foi aparecendo em todas as áreas: melhora da saúde física, dos relacionamentos, da parte profissional, diminuição da ansiedade.

O analfabeto emocional não tem uma consciência profunda deque quando a sua vida não está indo bem, ele é a única pessoa que pode mudar a situação e que somente curando o seu interior sua vida vai mudar. Ele normalmente vai achar que são fatores externos a ele são os principais responsáveis pela sua infelicidade: seu pais, seu sócio, sua mulher, o Brasil, a cultura da cidade, o governo. Na sua lógica inconsciente, são esses fatores que precisam mudar para que ele seja feliz. Ele mesmo gerou muito sofrimento para si mesmo e não percebe. Não criou de forma proposital, mas sim inconscientemente. Mesmo assim, ele é o responsável.

O analfabeto emocional também não sabe que ele cria suas doenças físicas a partir de sentimentos negativos que vão se acumulando dentro de si. Toda emoção negativa é produzida quimicamente pelo nosso corpo e afeta a nossa fisiologia gerando: tensão nos músculos, alteração do hormônios, mudança do PH sanguíneo. Sentimentos vão ficando guardados dentro de nós e se somando até que começam a provocar reflexos mais visíveis na parte física: diabetes, pressão alta, câncer, doenças de pele, alergias, doenças cardíacas e etc. 

É muito provável que a pessoa desenvolvida intelectualmente, mas analfabeta emocionalmente fique com raiva de mim ao ler esse texto. Pois ela tem certeza de que as doenças são causas por fatores externos, e que se sua vida está mal em outras áreas, a maior causa está em coisas fora do seu interior. Seu ego defenderá a posição da vítima, que gera muito sofrimento e não permite que a pessoa mude, mas é o que ela está acostumada a ser.

Seria muito bom que aprendêssemos desde criança a perceber nossos sentimentos. Saber o que é raiva, o medo, a culpa, a frustração. Perceber a manifestação física dessas emoções. Sim, toda emoção quando surge provoca um desconforto no corpo, é a sua química afetando a fisiologia. Deveríamos aprender como os sentimentos negativos sabotam a nossa vida de forma inconsciente, influenciando nossas escolhas. Poderíamos aprender na escola sobre crenças limitantes, quais são e como elas nos prejudicam. Se aprendêssemos a detectar aspectos da autoestima baixa, jogos de manipulação familiar, padrões negativos que se repetem, teríamos muito mais condições de nos libertamos dessa negatividade. Mas nossos pais e professores também são analfabetos emocionais, eles não sabem lidar com nada disso. Normalmente, só vamos aprender na idade adulta, depois de muito sofrimento, buscando professores nessa áreas através de livros, palestras, vídeos e terapeutas.



Andre Lima



16 comentários:

Rô... disse...

oi Lena querida,

acho uma pena que emoções e
sentimentos não sejam matérias
obrigatórias, no curriculo escolar,
faria muito mais sentido que muitas
outras,
além de ser uma ajuda no auto conhecimento
e no conhecimento do outro...

beijinhos

Maria Alice Cerqueira disse...

Querida amiga
Vim agradecer a sua presença amiga lá no meu cantinho magico coração,
gostaria lhe oferecer um selinho dos 500 seguidores como prova de minha gratidão. Voltarei com mais calma para ler com carinho seus textos!
Mais uma vez venho pedir a voce o seu votinho para a minha poesia.
Sentindo a Vida
Para votar
Clik no link
http://ostra-da-poesia.blogspot.com.br/

Como votar

DIGITE O NOME DA POESIA E O LINK DO SEU BLOG

(é importante deixar o link para seu voto ser validado)

Desde já agradeço de todo o coração a seu apoio e votinho

Tenha um lindo dia coberto de muita paz e alegria

abraço amigo

Maria Alice

Santa Cruz disse...

Lena. Ha analfabetos que nao sabem ler e ha analfabetos que sabem ler mas que so leem aquilo que lhe interessa.
Beijos
Santa Cruz

Mima D. disse...

Lena,
Acho que nunca li um texto tão ciente de toda situação que estou passando..
Vou gaurdar para ler e reler muitas vezes, e vou procurar me alfabetizar emocionalmente, porque o analfabetismo está me consumindo...
Obrigada por dividir este texto!!!
Bjs

Anônimo disse...

Lena, esse texto é muito bom. Parece que foi feito para mim... Parabéns pelo seu blog. Estou "viciada" nele. Passo várias vezes aqui... bjs. Lu

Só pra você disse...

Seus textos sempre falam as verdades e que muitas vezes não estamos preparadas para entender, acredito até que alguns não queiramos mesmo compreender, porém devemos sempre levar as pessoas assim mesmo. MUito bom querida, saudades suas por isso voltei para te visitar. Um ótimo final de semana.

Auxiliadora RS

Leninha disse...

Lena querida,

Durante muito tempo fui analfabeta emocional,mas uma amiga me apresentou a mim mesma e as minhas emoções deixaram de ficar às escondidas,me maltratando...hoje sou consciente dos meus sentimentos e eles não me manipulam mais...deixei de ter macaquinhos no sotão.

Bjssss,Xará linda,
Leninha

AquilesMarchel disse...

porra

fui assim durante mt tempo
cheio de febres e doente

Denise disse...

Já fui uma analfabeta emocional e sofri muito durante esse longo período. Mas o sofrimento nos leva a busca e buscando acabei me encontrando. Foi o encontro mais gratificante q já tive. E acabei alcançando a paz interior. Texto interessantíssimo. Muita paz!

Mari disse...

Olá Lena, mas que texto maravilhoso...fui atraída para ele através de um blog amigo (Conheça o Espiritismo) e fiquei encantada com tudo por aqui! Vou ficar por aqui seguindo, para receber as suas atualização...amei!!
Tenha um excelente tarde, repleta de muita luz e paz!♥

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

E as vezes
a perda em
nossa vida
foi tão grande,
que a busca
se faz inútil...

Que haja sempre perfume
de sonhos em tua vida.

Sandra Portugal disse...

saudades de você e dos seus textos maravilhosos
é muito bom vir aqui, hoje e sempre!
bjs Sandra
http://projetandopessoas.blogspot.com//

Ingrid disse...

deixo beijos de carinho..
um lindo findi..

Palavras disse...

Oi Lena,

gostei muito do text. Analfabetismo emocional! Nunca tinha pensado desta forma. Muitas pessoas deveriam ler esse texto, estão doentes e nemm sabem!

Parabéns pela escolha e ao autor pelo texto!

beijos

Leila

Orvalho do céu disse...

OLÁ, querida Lena

Páscoa é:

"Coragem é a resistência ao medo,
domínio do medo,
e não a ausência do medo."
(Mark Twain )

SAIR DO PRÓPRIO TÚMULO

Jesus libertou-me... enviou-me anjos para me soltar das amarras que me prendiam...

Apóstolo Pedro: “precisamos dar razões que justifiquem a nossa Esperança” (1Ps 3,15).

FELIZ PÁSCOA PARA TODOS NÓS!!!
Abraços fraternos de paz

Elisa T. Campos disse...

Lena
Todos nós devemos nos alfabetizar emocionalmente.
Cada sentimento de negatividade é fator de uma doença. Num evento que assisti o palestrante disse sobre as causas de algumas enfermidades me recordo de duas delas:
Raiva - câncer
tristeza - diabete e doenças no pulmão. Isso tem sentido?
Pelo seu texto, devo acreditar.
Obrigada pela informação
Bjs